agosto 18, 2022

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Atualizações ao vivo: Rússia e Ucrânia chegam a um acordo de grãos

Atualizações ao vivo: Rússia e Ucrânia chegam a um acordo de grãos

atribuído a ele…Nicole Tong para The New York Times

BRUXELAS – Após três meses de intensas negociações, Ucrânia e Rússia chegaram a um acordo, com as Nações Unidas e a Turquia, que permitirá que ambos os países retirem do mundo grãos e outros alimentos, além de fertilizantes.

A Ucrânia e a Rússia estão entre os maiores exportadores de grãos e fertilizantes do mundo, principalmente nos mercados da África e do Oriente Médio. Quando a Rússia invadiu a Ucrânia, esse comércio foi praticamente suspenso, principalmente devido ao domínio naval russo do Mar Negro que efetivamente bloqueou os portos da Ucrânia.

Os resultados foram devastadores: os preços historicamente altos dos grãos levaram à inflação e à escassez de alimentos nas partes do mundo que mais precisam, incluindo a Somália e seus vizinhos no Chifre da África.

Havia muitas partes influentes neste acordo, e as autoridades não acreditavam que fosse possível até a semana passada, até porque a guerra está acontecendo e a confiança entre os dois lados é muito baixa.

Aqui está o que saber sobre qual é o problema, como ele pode ser resolvido após esse hack e quais são os riscos.

Por que o grão ucraniano ficou preso dentro do país?

Depois que a Rússia invadiu a Ucrânia em 24 de fevereiro, enviou navios de guerra ao longo da costa do Mar Negro da Ucrânia. A Ucrânia minou essas águas para deter um ataque naval russo. Isso significa que os portos usados ​​para exportar grãos ucranianos foram fechados para o transporte comercial. A Rússia também roubou estoques de grãos, minou campos de grãos para que não pudessem ser colhidos e até destruiu instalações de armazenamento de grãos.

READ  EUA planejam sanções e controles de exportação contra a Rússia se invadir a Ucrânia
atribuído a ele…Tyler Hicks/The New York Times

Como funcionará o processo?

Capitães ucranianos expulsarão navios cheios de grãos dos portos de Odessa, Yuzhny e Chornomorsk.

Usando rotas seguras e não mineradas, eles levariam os navios aos portos turcos, onde seriam descarregados, após o que os grãos seriam enviados para compradores em todo o mundo.

Os navios que retornam serão verificados por uma equipe conjunta de autoridades turcas, da ONU, ucranianas e russas para garantir que estejam vazios e que não carreguem armas para a Ucrânia – uma demanda importante da Rússia.

Um centro de comando conjunto com funcionários dos quatro lados será imediatamente instalado em Istambul para monitorar todos os movimentos das frotas.

As partes concordaram que os próprios navios e as instalações portuárias utilizadas para suas operações seriam protegidos das hostilidades.

A operação terá início nas próximas semanas e deverá começar a embarcar rapidamente 5 milhões de toneladas de grãos por mês. A este ritmo, dado que 2,5 milhões de toneladas de grãos já são transportados por via terrestre e fluvial para os vizinhos amigos da Ucrânia, os estoques de cerca de 20 milhões de toneladas devem ser liberados dentro de três a quatro meses. Isso liberará espaço nas instalações de armazenamento para a nova colheita, que já começou na Ucrânia.

Quais são os riscos?

Um amplo cessar-fogo não foi negociado e as negociações de paz estão moribundas, então os navios viajarão por uma zona de guerra. Ataques perto de navios ou nos portos onde as operações são realizadas podem prejudicar o acordo. Outro risco é a desonestidade ou desacordo entre os vários inspetores e oficiais do comando conjunto.

READ  A jornalista russa Oksana Paulina foi morta em um atentado a bomba em Kiev

O papel das Nações Unidas e da Turquia é mediar essas divergências no local e monitorar e implementar o acordo. O acordo está em vigor por 120 dias, e as Nações Unidas esperam que seja renovado, para aliviar o fornecimento global de alimentos severamente interrompido.

atribuído a ele…Sergey Popock/AFP – Getty Images

Isso resolverá imediatamente a fome mundial e reduzirá os preços globais dos alimentos?

Não, a fome no mundo é um problema contínuo devido à má distribuição de alimentos e à manipulação de preços, e atinge algumas partes do mundo ano após ano. Eles são muitas vezes exacerbados por conflitos e afetados pelas mudanças climáticas. No entanto, a guerra na Ucrânia, que produz uma grande parte do trigo do mundo, colocou um fardo enorme nas redes de distribuição de grãos, elevando os preços e alimentando a fome.

Autoridades dizem que este acordo tem o potencial de aumentar o fluxo de trigo para a Somália dentro de semanas, evitar uma fome em massa e deve levar a um declínio gradual nos preços mundiais dos grãos. Mas dado o quão frágil é o acordo devido à guerra em curso, é improvável que os mercados de grãos voltem ao normal imediatamente.

O que há para a Rússia?

A Rússia é um grande exportador de grãos e fertilizantes por direito próprio, e o acordo deve facilitar a venda desses produtos no mercado mundial.

O Kremlin afirmou repetidamente que seu estoque não pode ser exportado devido a sanções econômicas impostas pelos Estados Unidos e pela União Europeia.

As medidas não afetam efetivamente esses bens. No entanto, na prática, companhias de navegação privadas, companhias de seguros, bancos e outras empresas têm relutado muito em ajudar a Rússia a exportar grãos e fertilizantes, seja porque temem contrariar as sanções ou porque temem que fazer negócios com a Rússia possa prejudicar eles. reputação.

READ  China aproveita atraso de Kamala Harris no Vietnã para dobrar a vacina COVID

Assegurando a essas empresas que não serão penalizadas se ajudarem as exportações russas, a União Europeia emitiu na quinta-feira um esclarecimento legal sobre suas sanções dizendo que vários bancos e outras empresas envolvidas no comércio de grãos não foram de fato banidos.

Armado com garantias semelhantes dos Estados Unidos, a ONU disse que manteve conversas com o setor privado e que o comércio da Rússia – particularmente o porto russo de Novorossiysk – deve acelerar.