Julho 12, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Atualizações ao vivo: resultados das eleições britânicas, vitórias trabalhistas e primeiro-ministro Rishi Sunak admite derrota

Atualizações ao vivo: resultados das eleições britânicas, vitórias trabalhistas e primeiro-ministro Rishi Sunak admite derrota

A decisão do Reino Unido de dar ao Partido Trabalhista de centro-esquerda uma maioria parlamentar, de acordo com sondagens de opinião, surge num momento em que a Europa está amplamente nas garras daquilo que alguns chamam de onda populista de direita.

últimos meses Eleições europeias As recentes eleições europeias viram um número histórico de legisladores de partidos de direita e de extrema-direita eleitos para o Parlamento Europeu. Os resultados causaram tal caos que o presidente francês, Emmanuel Macron, convocou eleições parlamentares antecipadas no seu país, com a extrema-direita Reunião Nacional a vencer a primeira volta. Ele venceu na semana passada.

Um governo composto por figuras de extrema direita foi formado na Holanda esta semana. A Itália é liderada pelo líder mais direitista desde o governo do fascista Benito Mussolini durante a guerra. Estas vitórias eleitorais e a possibilidade de a direita populista chegar ao poder já não são uma surpresa nos países europeus.

Existem muitas razões por detrás deste aumento do populismo, que muitas vezes são exclusivas de cada país. Mas, no geral, vários países europeus registam economias lentas, elevadas taxas de imigração e elevados preços da energia, em parte devido à procura de carbono zero líquido. A UE é frequentemente responsabilizada pelos infortúnios nacionais por políticos populistas e injecta oxigénio num discurso nacional cada vez mais eurocéptico.

Mas porque é que se deveria esperar que a Grã-Bretanha contrariasse esta tendência, sendo o único país onde o eurocepticismo levou a um referendo sobre a sua adesão à União Europeia?

Apesar do número esperado de assentos, a direita britânica ainda não morreu. O Partido Conservador, apesar da sua noite sem dúvida decepcionante, deverá superar as previsões de uma série de sondagens de opinião durante a campanha, algumas das quais mostraram um declínio no número de assentos parlamentares para dois dígitos.

Entre os outros partidos que deverão superar as expectativas das sondagens de opinião está o populista Partido da Reforma, de direita, no Reino Unido, liderado por Nigel Farage, que é talvez mais conhecido actualmente pela sua amizade com o antigo Presidente dos EUA, Donald Trump. Antes disso, foi-lhe atribuído o mérito de tornar o Brexit possível, após décadas de campanha contra a adesão do Reino Unido à União Europeia.

O sucesso político de Farage até agora ocorreu sem que ele ocupasse um assento parlamentar. Agora espera-se que ele não apenas tome um assento, mas também nomeie 12 colegas para lançar granadas contra o líder trabalhista Keir Starmer. Embora isto possa parecer pequeno em comparação com a maioria de três dígitos esperada por Starmer, Farage irá sem dúvida influenciar a discussão sobre a futura direcção do Partido Conservador, talvez puxando-o ainda mais para a direita.

A divisão de Farage à direita pode ter ajudado Starmer a aumentar a sua maioria no parlamento. É estranho na política britânica que a percentagem de votos recebidos por qualquer partido não se traduza necessariamente em assentos. Com o bom desempenho da Reforma em muitos dos assentos que os Trabalhistas acabarão por conquistar, a extrema direita não só será impossível de ignorar neste Parlamento, como poderá facilmente ver a sua influência crescer ainda mais.

A Grã-Bretanha sofre de muitos dos mesmos problemas que outros países europeus. Se Starmer chegar ao poder como primeiro-ministro, há todas as hipóteses de a direita populista continuar a capturar a imaginação do público, como tem feito noutras partes da Europa.