maio 27, 2022

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Atualizações ao vivo da Rússia e da Ucrânia: vídeo e últimas notícias

Atualizações ao vivo da Rússia e da Ucrânia: vídeo e últimas notícias

crédito…foto de Susanna Vera

A agressão russa na Ucrânia expôs rachaduras no futebol europeu que ameaçam acordos multimilionários de patrocínio e levou a pedidos para mudar o maior jogo do calendário desta temporada, a final da Liga dos Campeões, fora da cidade-sede, São Petersburgo.

A Associação Europeia de Futebol (UEFA), entidade que rege o futebol europeu e organizadora da Liga dos Campeões, recusou-se a responder às exigências de alguns países europeus para mudar o jogo, marcado para 29 de maio. A oposição mais aberta à recepção da Rússia veio da Grã-Bretanha, que poderia fornecer um ou ambos os finalistas. A última partida do ano passado aconteceu entre Manchester City e Chelsea na Premier League inglesa. Este último é de propriedade do oligarca russo, Roman Abramovich.

“Tenho sérias preocupações sobre eventos esportivos que ocorrerão na Rússia, como a final da Liga dos Campeões, e discutirei o assunto com os órgãos governamentais relevantes”, disse Nadine Doris, ministra do governo britânico responsável pelo esporte. escreveu no twitter.

A secretária de Relações Exteriores da Grã-Bretanha, Liz Truss, disse à BBC na manhã de quarta-feira que era contra a realização da final em São Petersburgo.

A Uefa disse que está “monitorando constante e de perto a situação”.

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, anunciou nesta terça-feira a imposição de sanções a três outros bilionários russos como parte de uma série de medidas contra pessoas próximas ao presidente russo, Vladimir Putin. Abramovich, um aliado do líder russo, já teve dificuldades para entrar no Reino Unido depois que novas restrições de visto foram impostas a empresários russos em 2018.

READ  Rússia realoca exercícios navais devido a preocupações irlandesas

Não houve consequências diretas para seu investimento no Chelsea, mas o governo de Johnson disse que planeja novas ações se a Rússia não reduzir suas atividades na Ucrânia.

Os torcedores do Everton, outro time da Premier League, também enfrentam uma espera ansiosa. Seu maior patrocinador, o USM, é controlado por Alisher Usmanov, outro bilionário russo ligado ao Kremlin. Margaret Hodge, legisladora do Partido Trabalhista de oposição da Grã-Bretanha, disse no Parlamento que Abramovich e Usmanov deveriam estar sujeitos a sanções, chamando-os de “cleptocratas que roubaram do povo russo”.

As repercussões da crise também chegaram à Alemanha, onde a Gazprom, gigante russa da energia, desde 2007 é patrocinadora de uma das principais equipes do país, o Schalke. Líderes esportivos alemães, políticos e grupos de fãs pediram o fim do acordo.

O clube disse em comunicado que “monitorará e avaliará novos desenvolvimentos e pedirá urgentemente a paz para proteger os afetados pela crise”.

A Gazprom é o principal patrocinador do futebol, transferindo milhões de dólares para as equipes e, mais importante, para a UEFA através de um relacionamento comercial de longo prazo. Como principal parceiro, o logotipo da Gazprom é agora uma visão familiar nos estádios e nas transmissões de televisão durante a Liga dos Campeões, o torneio de futebol de clubes mais rico.

A Gazprom tem vários outros acordos no futebol, notadamente com a FIFA, organizadora da Copa do Mundo. A FIFA não comentou seu relacionamento com a empresa ou com a Rússia, já que unidades do exército russo se moveram sob a direção de Putin contra a vizinha Ucrânia.

Talvez tenha que fazê-lo em breve: a Federação Polonesa de Futebol pediu na terça-feira esclarecimentos sobre o status da crucial eliminatória da Copa do Mundo contra a Rússia, marcada para Moscou no próximo mês.

READ  Guerra Russo-Ucraniana: últimas notícias e atualizações ao vivo