outubro 5, 2022

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Ataques fronteiriços irrompem entre Armênia e Azerbaijão, o que pode desencadear um antigo conflito

Ataques fronteiriços irrompem entre Armênia e Azerbaijão, o que pode desencadear um antigo conflito

“Pedimos às partes que se abstenham de uma nova escalada da situação, exerçam moderação e cumpram estritamente o cessar-fogo de acordo com as declarações tripartidas dos líderes da Rússia, Azerbaijão e Armênia em 9 de novembro de 2020, 11 de janeiro e 26 de novembro. , 2021”, disse o comunicado do Ministério das Relações Exteriores da Rússia.

“Estamos em contato próximo com Baku e Yerevan. Um telefonema foi recebido da liderança armênia para ajudar a resolver a situação… Esperamos que o acordo alcançado como resultado da mediação russa para um cessar-fogo a partir das 9h00, horário de Moscou, em setembro. 13 será implementado”, acrescentou ela.

A declaração veio após um telefonema entre o primeiro-ministro armênio Nikol Pashinyan e o presidente Vladimir Putin na terça-feira. A mídia local no Azerbaijão também noticiou o cessar-fogo, mas disse que já havia sido violado.

Na manhã de terça-feira, o Ministério da Defesa da Armênia afirmou que as forças armadas do Azerbaijão lançaram bombardeios de artilharia nas cidades fronteiriças da Armênia. O ataque envolveu drones e armas de fogo de alto calibre disparadas contra Goris, Sotek e Jermuk, segundo o Ministério da Defesa da Armênia.

O Ministério da Defesa do Azerbaijão respondeu com um comunicado reconhecendo os ataques, mas disse que os ataques eram “de pequena escala” e “destinados a garantir a segurança das fronteiras do Azerbaijão”.

O Ministério da Defesa do Azerbaijão acusou nesta segunda-feira as forças armênias de disparar armas leves na direção do assentamento de Novoivanovka, no distrito de Gadabay, e do assentamento de Hosulu, no distrito de Lachin, perto da fronteira entre os dois países. A Armênia negou as acusações.

Em 2020, os países entram em conflito O disputado Nagorno-Karabakh A região, uma região sem litoral entre a Europa Oriental e a Ásia Ocidental, é habitada e controlada por armênios étnicos, mas está localizada no território do Azerbaijão. As hostilidades terminaram depois que separatistas apoiados pelos armênios concordaram em abrir mão do controle do território na região rebelde.

A turbulência na região há décadas, remonta ao colapso da União Soviética, quando a região, com o apoio da Armênia, declarou sua independência do Azerbaijão. O Azerbaijão sempre afirmou que recuperará os territórios reconhecidos internacionalmente como Azerbaijão.

Na terça-feira, a Armênia convidou a Rússia a implementar um Tratado de Defesa de 1997 Afirma que os estados defenderão sua integridade territorial e soberania no caso de um ataque de um estado estrangeiro.

“Foi tomada a decisão de apresentar um pedido oficial à Federação Russa para a implementação das disposições do Tratado de Amizade, Cooperação e Assistência Mútua, a Organização do Tratado de Segurança Coletiva e o Conselho de Segurança das Nações Unidas sobre agressão contra o território soberano da República da Armênia”, disse um comunicado emitido pelo Gabinete do Primeiro-Ministro da Armênia.

READ  Patrulha russa prende chefe da usina nuclear de Zaporizhia, na Ucrânia

O pedido veio após uma sessão com o Conselho de Segurança da Armênia e uma ligação entre o primeiro-ministro armênio Nikol Pashinyan e o presidente russo Vladimir Putin, de acordo com um comunicado divulgado pelo escritório de Pashinyan.

Rússia Anteriormente, havia implantado o que descreveu como forças de paz na região depois de intermediar um cessar-fogo no início de novembro de 2020, encerrando um conflito de quase dois meses que matou pelo menos 6.500 pessoas, segundo a Reuters.

Pashinyan também conversou com o secretário de Estado dos EUA, Anthony Blinken, na terça-feira, pedindo uma “resposta apropriada” da comunidade internacional em resposta ao que Pashinyan chamou de “agressão do Azerbaijão ao território soberano da Armênia”, disse seu escritório em um comunicado à imprensa. declaração.

Na noite de segunda-feira, Blinken pediu uma “cessação imediata das hostilidades”.

“Os Estados Unidos estão profundamente preocupados com relatos de ataques ao longo da fronteira armênio-azerbaijana, incluindo ataques relatados contra assentamentos e infraestrutura civil dentro da Armênia”, disse Blinken em comunicado. “Como há muito deixamos claro, não pode haver solução militar para o conflito. Pedimos o fim imediato de qualquer hostilidade militar.”

Hannah Ritchie, da CNN, contribuiu para este relatório.