janeiro 31, 2023

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Algarve quer um ‘verdadeiro’ sistema de alerta de tsunami

Municípios apelam ainda à constituição de equipas permanentes de combate a incêndios

O presidente da Comunidade Intermunicipal do Algarve (AMAL) fez o apelo esta quinta-feira Sistema aprimorado de alerta de tsunami, videovigilância florestal e brigada de incêndio permanente – São “grandes projetos de defesa civil” a serem implantados na região nos próximos anos.

“A região precisa estar mais preparada em termos de segurança”, disse o presidente da AMAL, Antonio Miguel Piña. Nos próximos seis ou sete anos, dois ou três grandes programas (de defesa civil) devem ser implementados para garantir a preparação para emergências. Enfrentando dois riscos principais de calamidade no Algarve – Tsunamis e incêndios florestais.

O autarca de Olhão falava na assinatura Plataforma Regional do Algarve para a Redução do Risco de Catástrofes (PRRRC) – a primeira do género no país, envolvendo um total de 26 entidades – decorreu quinta-feira na sede da AMAL, em Faro.

Antonio Miguel Piña enfatizou que existe um “modelo matemático” que antecipa as condições em caso de tsunami. “Isto precisa de ser atualizado.” E essa “Precisamos investir em um verdadeiro sistema de alerta de tsunami”.

Isto é importante para quem aqui vive, sejam os locais ou quem aqui decide viver, mas também para quem nos vem visitar.”, sublinhou, citando a necessidade de “aumentar a sensação de segurança” numa zona fortemente turística.

O segundo maior risco para o Algarve são os incêndios florestais, que estão a destruir “sistematicamente” a região, acrescentou o presidente da AMAL.

Antonio Pina disse que a videovigilância “Uma aposta decisiva na deteção rápida dos incêndios, para os atingir o mais rapidamente possível, no ponto onde é mais fácil extingui-los” O sistema é com a ideia de cobrir as áreas barrocais e montanhosas, que são menos acessíveis.

READ  Companhia aérea portuguesa TAP opera serviço reduzido com início de greve de dois dias

Piña aproveitou para falar directamente com o general Duarte Costa, chefe da Comissão Nacional de Emergências e Protecção Civil (ANEPC), apelando à criação de uma unidade à semelhança dos bombeiros especiais já existentes.Permanentemente” baseado no Templo de Alaghar.

“É imperativo que a nossa região dê um passo em frente com verdadeiro regionalismo no combate aos incêndios florestais [firefighting] Tropas. General, deixo-lhe este desafio: o Algarve pode Primeira região do país tenha um Verdadeiramente uma potência regional” disse Bina.

Estado e municípios terão de encontrar “uma forma de financiar” o projeto, disse ele, acrescentando que sua criação “colocaria os vereadores e cidadãos locais em uma posição muito melhor”.

“As autarquias, sobretudo tirando partido do próximo quadro de programação social, acreditam que passados ​​estes seis, sete anos, a região deverá ser mais resiliente”, sublinhou o presidente da AMAL.

A Plataforma Regional do Algarve para a Redução do Risco de Catástrofes (PRRRC), anunciada oficialmente na quinta-feira, torna a região pioneira em Portugal. Estimular e fortalecer a governança na gestão de riscos, principalmente no nível local.

“O seu objetivo final é melhorar a articulação das instituições locais e associações civis na ação conjunta contra o risco a nível regional, com base em estratégias de prevenção e segurança, através do conhecimento, inovação, sensibilização, educação, comunicação e participação cívica. o desenvolvimento de medidas para reduzir o risco de desastres, “Aumentar a resiliência na sociedade e em diferentes estruturas de diferentes setores”, diz a sinopse do PRRRC.

Além dos 16 municípios algarvios, a plataforma integra a Comissão Nacional de Emergências e Proteção Civil, a Agência de Gestão Integrada de Incêndios Rurais, Águas do Algarve, a Associação de Turismo do Algarve, a Associação de Hotéis e Organizações de Turismo do Algarve. Centro Hospitalar Universitário do Algarve, GNR, Comunidades Seguras Portugal e Universidade do Algarve.

READ  Oposição de centro-direita de Portugal conquista liderança nas eleições dias antes das eleições

A solução é desenhada por normas internacionais como o Sendai Framework e pretende responder a normas nacionais como a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável e a Estratégia Nacional 2030 para a Defesa Civil Preventiva.

Fonte: lusa