Setembro 22, 2023

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Águas residuais em Fukushima: Japão liberará água tratada apesar da oposição da China

Águas residuais em Fukushima: Japão liberará água tratada apesar da oposição da China



CNN

O Japão começou na quinta-feira a liberar águas residuais radioativas tratadas da usina nuclear de Fukushima, atraindo duras críticas da China, que classificou o processo como um “ato egoísta e irresponsável”.

Esta versão faz parte de um plano controverso que encontrou fortes objeções de muitos consumidores, bem como de alguns países regionais, com Pequim liderando o ataque.

O Japão afirma que a descarga de água tratada é segura e extremamente necessária para liberar espaço na usina nuclear paralisada.

O país começou a despejar água depois das 13h, horário local (meia-noite ET), de acordo com a concessionária estatal de energia Tokyo Electric Power Corporation (TEPCO).

A empresa disse que espera descarregar apenas cerca de 200 ou 210 metros cúbicos de águas residuais tratadas. A partir de sexta-feira, planeja liberar 456 metros cúbicos de esgoto tratado continuamente durante 24 horas e um total de 7.800 metros cúbicos em 17 dias.

A TEPCO disse que a operação será suspensa imediatamente e será realizada uma investigação caso seja descoberto algum defeito no equipamento de descarga ou nos níveis de diluição das águas residuais tratadas.

No final do dia, enviará um barco ao porto para recolher amostras para monitorizar e garantir que as águas residuais tratadas cumprem as normas internacionais de segurança.

O devastador terremoto e tsunami que atingiu o Japão em 2011 fez com que a água dentro da usina nuclear de Fukushima fosse contaminada com materiais altamente radioativos. Desde então, nova água tem sido bombeada para resfriar os restos de combustível nos reatores, enquanto a água subterrânea e a água da chuva penetram, criando mais esgoto radioativo.

O plano de liberação da água estava em andamento há anos, com as autoridades alertando em 2019 que estavam ficando sem espaço para armazenar o material e “não tinham outras opções” a não ser liberá-lo em uma forma altamente processada e diluída.

READ  Incêndio em boate na Tailândia: 13 mortos em incêndio em prédio

Embora alguns governos tenham manifestado apoio ao Japão, outros opuseram-se firmemente à libertação de esgotos, com muitos consumidores na Ásia a armazenarem sal e marisco devido ao receio de contaminação futura.

Os Estados Unidos apoiaram o Japão e Taiwan concordou que a quantidade de trítio liberada deveria ter um efeito “mínimo”.

No entanto, a China e as ilhas do Pacífico manifestaram a sua oposição vocal, argumentando que o lançamento poderia ter um amplo impacto regional e internacional, possivelmente ameaçando a saúde humana e o ambiente marinho.

O Ministério das Relações Exteriores da China publicou um comunicado condenando a medida após a confirmação da liberação.

“Começar a descarregar à força a água poluída do desastre nuclear de Fukushima no oceano é um ato extremamente egoísta e irresponsável que ignora o interesse público internacional”, afirmou o ministério. “O que o Japão fez foi transferir os perigos para o mundo inteiro e estender a dor às próximas gerações da humanidade.”

“Ao alinhar as águas contaminadas nuclearmente, o Japão também se colocou no banco dos réus internacional, o que a comunidade internacional certamente condenará por muito tempo”, acrescentou o comunicado.

A administração alfandegária da China proibiu as importações de alimentos de Fukushima e de outras nove regiões no início deste verão.

Hong Kong também confirmou esta semana que irá proibir produtos alimentares importados de algumas partes do Japão após a libertação de água tratada.

A partir de quinta-feira, todos os frutos do mar vivos, congelados, refrigerados, secos ou preservados, sal marinho e algas marinhas não processadas ou processadas serão banidos de cidades como Tóquio, Fukushima, Chiba e Tochigi.

A cidade é o segundo maior mercado de exportação de frutos do mar do Japão fora da China continental. De acordo com a Reuters agência de notícias.

READ  Crianças colombianas encontradas vivas na selva semanas após a queda do avião

Apesar da reação negativa, o Japão afirma que seu plano é seguro.

Ao longo dos anos, as águas residuais foram continuamente tratadas para filtrar todos os elementos removíveis prejudiciais e depois armazenadas em tanques. Grande parte da água é tratada uma segunda vez, segundo a TEPCO.

Quando o esgoto for finalmente liberado, ele estará tão diluído em água limpa que conterá apenas concentrações muito baixas de material radioativo. Ele viajará através de um túnel submarino a cerca de 1 quilômetro (0,62 milhas) da costa, no Oceano Pacífico.

A descarga será monitorada por terceiros durante e após a sua liberação – incluindo a Agência Internacional de Energia Atômica da ONU.

Ela acrescentou que a AIEA tem funcionários estacionados no recém-inaugurado escritório de Fukushima e monitorará a situação nos próximos anos.