Maio 18, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

África do Sul recua ao se retirar do Tribunal Penal Internacional após mandado de prisão contra Putin

África do Sul recua ao se retirar do Tribunal Penal Internacional após mandado de prisão contra Putin

O presidente da África do Sul recuou das acusações de que seu partido quer deixar o Tribunal Penal Internacional, antes de uma visita programada ao país do líder russo Vladimir Putin, indiciado no mês passado por crimes de guerra na Ucrânia.

Cyril Ramaphosa “infelizmente… confirmou erroneamente” em comentários que fez em uma coletiva de imprensa na terça-feira que o governante Congresso Nacional Africano estava planejando deixar o tribunal, disse seu gabinete.

O tribunal de Haia emitiu um mandado de prisão para Putin pela deportação de crianças em partes ocupadas da Ucrânia, criando caos sobre os planos da África do Sul para uma cúpula com os líderes do Brasil, Rússia, Índia, China e outros países do BRICS em agosto. Como membro do Tribunal Penal Internacional, Pretória seria obrigada a deter Putin na sua chegada.

Ramaphosa havia afirmado anteriormente que o ANC havia decidido que “seria sensato para a África do Sul se retirar do TPI por causa da maneira como o TPI é visto para lidar com esses tipos de problemas”.

Mas seu gabinete disse mais tarde na terça-feira que “a presidência deseja deixar claro que a África do Sul continua signatária [to the court] E continuará a lutar pela aplicação igual e consistente do direito internacional”.

O erro de Ramaphosa causaria grande embaraço diplomático para a África do Sul em um momento em que a acusação de Putin expôs as tensões sobre a posição do país sobre a guerra na Ucrânia e seus laços estreitos com a Rússia.

Ramaphosa tem relações amistosas com Putin, e membros de seu gabinete disseram que a Rússia não deveria ser condenada diretamente pela invasão, ao mesmo tempo em que questionam o apoio ocidental a Kiev. A África do Sul realizou exercícios navais conjuntos com a Rússia no aniversário da invasão deste ano.

Uma fragata militar russa está em Richards Bay, na África do Sul, para exercícios navais conjuntos com a África do Sul e a China em fevereiro. © Ministério da Defesa da Rússia / AFP via Getty Images

A saída do TPI não mudará de forma alguma o dilema enfrentado pelo governo de Ramaphosa se Putin comparecer à cúpula do BRICS em agosto enquanto estiver sendo destituído. Analistas disseram que levaria vários meses para o tribunal sair, mesmo que a mudança fosse aprovada em casa.

O ANC só recentemente cancelou planos anteriores de se retirar do TPI depois que a África do Sul ignorou um mandado do TPI para prender Omar al-Bashir, ex-presidente do Sudão, em 2015.

Recuando na terça-feira, a presidência da África do Sul disse que o partido “considerou uma possível retirada do TPI como uma opção que pode surgir como medida de último recurso” na ausência de reformas no tribunal.

A África do Sul foi um dos primeiros países a ratificar o Estatuto de Roma que fundou o tribunal em 2000, comprometendo-o a auxiliar nos julgamentos do TPI. No entanto, alguns membros do ANC acreditam que o TPI tem sido tendencioso contra os países em desenvolvimento em suas investigações.

O incidente de Bashir prejudicou gravemente a reputação da democracia pós-apartheid como defensora do direito internacional e das instituições multilaterais. Mas também estabeleceu um precedente na lei sul-africana para os mandados de prisão do TPI a serem seguidos depois que os tribunais atacaram a falha do país em fazer uma prisão.

Ainda não está claro se Putin comparecerá pessoalmente à cúpula em Joanesburgo. Ramaphosa disse que o assunto “ainda está em estudo e discussão” à luz do mandado de prisão emitido pelo TPI.

Dmitry Peskov, porta-voz de Putin, disse esta semana que uma decisão sobre a presença de Putin estaria mais próxima de uma nomeação. Ele não respondeu a um pedido de comentário.

“É um grande dilema para o governo sul-africano”, disse Priel Singh, pesquisador sênior do Instituto Sul-Africano de Estudos de Segurança, sugerindo que uma solução diplomática ainda pode ser encontrada, como enviar um ministro a Putin ou participar online.

Gerhard Kemp, professor de justiça criminal internacional e transnacional na Universidade de Derby, no Reino Unido, disse que o governo de Ramaphosa poderia, em vez disso, tentar discutir a base legal para o mandado do TPI se Putin for confirmado para participar da cúpula.

“Seria o caminho honroso a seguir”, disse Kemp, “em vez de tentar ignorar o memorando.” Não se trata apenas de Putin. Será um teste do sistema jurídico sul-africano e da autoridade dos tribunais”.