dezembro 2, 2022

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

A Suprema Corte do Reino Unido se recusou a votar o referendo sobre a independência da Escócia

A Suprema Corte do Reino Unido se recusou a votar o referendo sobre a independência da Escócia


Londres
CNN

A Suprema Corte da Grã-Bretanha decidiu que o governo escocês não poderia se posicionar unilateralmente Um segundo referendo sobre a possibilidade de se separar do Reino Unido, em um golpe para os ativistas pela independência que seriam bem-vindos pela pró-sindicato Westminster Institution.

O tribunal rejeitou por unanimidade a tentativa do Partido Nacional Escocês de forçar uma votação em outubro, por não ter a aprovação do Parlamento britânico.

Mas é improvável que a decisão pare debate quente Sobre a independência pairando sobre a política britânica uma década atrás.

A última vez que a Escócia realizou uma votação sobre o assunto com a aprovação de Westminster foi em 2014, quando os eleitores rejeitaram a perspectiva de independência por 55% a 45%.

No entanto, a política ao norte da fronteira foi dominada pelo SNP pró-independência nos anos seguintes, em detrimento dos grupos pró-sindicatos tradicionais. Sucessivos líderes do SNP prometeram dar aos eleitores escoceses outra chance de votar, especialmente desde que o Reino Unido votou para deixar a União Europeia em 2016.

O mais recente esforço do líder do SNP, Nicola Sturgeon, inclui um referendo consultivo no final do próximo ano, semelhante à pesquisa de 2016 que levou ao Brexit. Mas a Suprema Corte do país concordou que mesmo uma votação não legalmente vinculativa exigiria a supervisão de Westminster, dadas as suas implicações práticas.

Lendo a decisão do tribunal, Lord Reed disse: “Um referendo legal teria consequências políticas importantes em relação à União e ao Parlamento do Reino Unido.”

Ele disse: “Isso fortalecerá ou enfraquecerá a legitimidade democrática da Federação e a soberania do Parlamento do Reino Unido sobre a Escócia, dependendo da visão predominante, e apoiará ou minará a credibilidade democrática do movimento de independência.”

READ  Últimas notícias sobre a Rússia e a guerra na Ucrânia

Sturgeon disse que aceitou a decisão na quarta-feira, mas tentou enquadrar a decisão como outro pilar na controvérsia da secessão. Ela escreveu no Twitter: “A lei que não permite que a Escócia escolha nosso futuro sem o consentimento de Westminster desmascara o mito de qualquer ideia do Reino Unido como uma parceria voluntária e defende ‘a independência'”.

Ela acusou o governo britânico de uma “negação total da democracia” em um discurso a repórteres na quarta-feira.

Sturgeon disse que seu próximo passo em seus esforços para conseguir uma votação seria caracterizar a próxima eleição geral do Reino Unido – prevista para janeiro de 2025, o mais tardar – como um referendo por procuração na Escócia sobre qual curso seguir.

Mas o primeiro-ministro britânico, Rishi Sunak, anunciou a “decisão clara e final” do tribunal como uma oportunidade para avançar no debate sobre a independência. “O povo da Escócia quer que trabalhemos para resolver coletivamente os principais desafios que enfrentamos, seja na economia, apoiando o NHS ou realmente apoiando a Ucrânia”, disse ele no parlamento.

As pesquisas sugerem que os escoceses permanecem estreitamente divididos sobre a separação do Reino Unido, e que um consenso claro em qualquer direção ainda está para surgir.

A Inglaterra e a Escócia se uniram em uma união política desde 1707, mas muitos escoceses há muito se preocupam com o que consideram uma relação unilateral dominada pela Inglaterra. Os eleitores escoceses historicamente rejeitaram o Partido Conservador nas urnas e votaram fortemente – mas em vão – contra o Brexit, intensificando o debate sobre o assunto na última década.

Desde 1999, a Escócia tem um governo descentralizado, o que significa que muitas, mas não todas, as decisões são tomadas no Parlamento escocês liderado pelo SNP em Holyrood, Edimburgo.

READ  O rublo está 'devastado' enquanto a Rússia entra em default