maio 17, 2022

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

A Rússia intensifica seus ataques às ferrovias, visando a salvação da Ucrânia para o mundo exterior

A Rússia intensifica seus ataques às ferrovias, visando a salvação da Ucrânia para o mundo exterior

A Usina de Lviv estava entre as seis instalações ferroviárias no centro e oeste da Ucrânia alvos das forças russas na noite de terça-feira, de acordo com o presidente do conselho de administração. Ferrovias Ucranianas Oleksandr Kamyshin.

As greves coordenadas causaram breves apagões em partes da área e atrasaram mais de 40 trens.

“Também houve distúrbios em nossas estações de bombeamento, que abastecem a cidade com água”, disse o vice-prefeito de Lviv, Serhiy Kiral, à CNN. Ele disse que planos de contingência foram implementados para garantir que o abastecimento de água não seja afetado pelas greves.

O ataque de terça-feira é o mais recente de uma série de ataques recentes à infraestrutura do país, com a rede ferroviária agora um dos principais alvos da Rússia.

A Rússia disse na quarta-feira que acredita que quaisquer armas – incluindo equipamentos da Otan – que cheguem e se movam dentro da Ucrânia sejam alvos, de acordo com a agência de notícias russa RIA Novosti.

Cinco estações de trem no oeste e centro da Ucrânia foram atingidas em uma hora em 25 de abril. Dois dias depois, um míssil atingiu uma ponte ferroviária e rodoviária na foz do rio Dniester, que liga a cidade portuária de Odessa, no sul, com a região sudoeste do país. Então, na sexta-feira, outra importante ponte ferroviária foi explodida perto da cidade de Sloviansk, na região leste de Donetsk.

No início de abril, em um dos ataques mais mortíferos até hoje, pelo menos 50 pessoas – incluindo cinco crianças – foram mortas depois que as forças russas realizaram um ataque com mísseis em Estação de trem em Kramatorsk.

Na quarta-feira, o porta-voz do Pentágono, John Kirby, disse que as forças russas estavam “tentando atingir o que acreditamos serem os principais alvos de infraestrutura para o oeste” na Ucrânia, incluindo “energia elétrica, centros de transporte e assim por diante”.

READ  As famosas falésias brancas da Sicília desfiguradas por vandalismo

Kirby disse que, apesar dos ataques recentes, os Estados Unidos ainda são capazes de “fluir” assistência militar para a região, incluindo “sistemas de armas” e outros materiais.

As ferrovias nacionais sempre desempenharam um papel econômico decisivo na Ucrânia, transportando exportações agrícolas e indústria pesada em todo o vasto território do país.

Mas desde que a invasão russa começou no final de fevereiro, a rede ferroviária tornou-se a tábua de salvação da Ucrânia para o mundo exterior: é a maneira como armas, suprimentos e ajuda humanitária entram no país.

O prefeito Kerral minimizou as tentativas da Rússia, dizendo acreditar que elas não teriam “nenhum impacto significativo” nos suprimentos vindos do Ocidente.

No entanto, ele reconheceu que os ataques podem atrapalhar o comércio da Ucrânia com o mundo exterior. “Isso pode afetar as exportações de produtos ucranianos, o que é crítico nessas épocas do ano porque precisamos extrair mais de cinco milhões de toneladas de grãos para estarmos prontos para a nova colheita.”

Centro de comando no trilho: como os ucranianos mantêm os trens nos trilhos na guerra
A rede também tem sido a espinha dorsal da diplomacia e da solidariedade globais. Quando autoridades estrangeiras – incluindo líderes da União Européia, o primeiro-ministro britânico Boris Johnson e o secretário de Estado americano Anthony Blinken – visitaram o país, eles também Viajar dentro e fora de trem.
É também uma importante tábua de salvação para muitos que têm sobreviveu à luta. De acordo com as Ferrovias Ucranianas, 3,8 milhões de pessoas – quase 10% da população total do país – usaram trens para chegar em segurança nos primeiros dois meses da guerra.

Para os mais de 230.000 ucranianos que trabalham na rede ferroviária, os recentes ataques foram um lembrete de quão perigosos – e vitais – são seus empregos.

READ  Erdogan diz que a Turquia está pronta para expulsar 10 embaixadores ocidentais

Andrei, um trabalhador ferroviário em uma das linhas da Polônia a Lviv, disse à CNN: “Estamos preocupados. Quando ouvimos a sirene, devemos correr para o abrigo. Ainda ontem, dois mísseis caíram nas proximidades”. Andre se recusou a dar seu sobrenome devido a questões de segurança. As ferrovias são um ativo estratégico e seus funcionários não estão oficialmente autorizados a falar com a mídia.

Andrey, que está no ramo ferroviário há 28 anos, disse estar muito orgulhoso de fazer parte do esforço que mantém a Ucrânia em movimento.

Enquanto extraía pedras e sujeira debaixo do trilho, ele falou de seu medo. “Nós só queremos trabalhar com segurança e ninguém quer se machucar do ar”, disse ele.

Trabalhadores ferroviários reparam parte da ferrovia que liga Lviv à Polônia.

Como as ferrovias desempenharam um papel importante no conflito, os ucranianos também as usaram com tato, atacando partes-chave de sua rede nas regiões ocupadas pelos russos.

Na quinta-feira passada, as forças ucranianas explodiram uma ponte que liga a Crimeia à parte ocupada pelos russos no sul da Ucrânia em uma tentativa de interromper o fluxo de armas.

Serhiy Prachuk, porta-voz da administração militar de Odessa, disse que as forças russas estavam usando a ponte “para fornecer armas e combustível à Crimeia”.

Maxim, um colega de Andrey, trabalha nas ferrovias como parte de seu serviço militar obrigatório.

Como clérigo, Maxim, que também se recusou a revelar seu sobrenome, disse que sua fé não lhe permitia portar armas. “Então, estou fazendo isso como substituto”, disse ele à CNN, dizendo que garantir que os trens continuem funcionando é sua maneira de lutar.

Tim Lister da CNN, Madalina Araujo Issa Soares contribuiu com reportagem de Lviv, Ucrânia. Michael Conti, Barbara Starr e Nikki Robertson, da CNN, também contribuíram com reportagens.

READ  A guerra russo-ucraniana: o que sabemos no dia 79 da invasão | noticias do mundo