maio 18, 2022

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

A Polônia encerra as importações de petróleo da Rússia;  Alemanha alerta contra o gás

A Polônia encerra as importações de petróleo da Rússia; Alemanha alerta contra o gás

VARSÓVIA, Polônia (AFP) – A Polônia anunciou nesta quarta-feira medidas para encerrar todas as importações de petróleo russo até o final do ano, enquanto a Alemanha emitiu um alerta sobre os níveis de gás natural e pediu às pessoas que mantenham novos sinais sobre como a Rússia vai guerrear na Ucrânia. Aumentou as tensões sobre a garantia do fornecimento de energia para alimentar a Europa.

A Polônia, que acolheu milhões de refugiados ucranianos, assumiu a liderança na União Europeia para cortar rapidamente os combustíveis fósseis russos. O bloco de 27 nações se recusou a impor sanções energéticas porque depende de Moscou combustível para automóveis, eletricidade, aquecimento e indústria, mas anunciou propostas para se livrar desses fornecimentos.

“Estamos apresentando o plano mais radical da Europa para abandonar o petróleo russo até o final deste ano”, disse o primeiro-ministro polonês Mateusz Morawiecki em entrevista coletiva.

Isso ocorre um dia depois que a Polônia disse que estava proibindo as importações de carvão russas esperadas para maio. Morawiecki diz que a Polônia tomará medidas para se tornar “independente” dos suprimentos russos e pede a outros países da UE que “se retirem” também. Ele argumenta que o dinheiro pago pelo petróleo e gás russos alimenta a máquina de guerra.

Enquanto alguns na Europa estão pedindo um boicote imediato de todo o petróleo e gás natural russos, a União Europeia planeja cortar as importações de gás russo em dois terços até o final do ano e eliminá-las antes de 2030. atingido pelo impulso dos já elevados preços do petróleo e do gás natural. Para europeus e outros em todo o mundo.

A União Europeia está a apostar em investimentos em energias renováveis como uma solução de longo prazo, mas também lutando para apoiar fontes alternativas de combustíveis fósseis, incluindo um novo acordo com os EUA para receber mais GNLou GNL, que chega de navio.

READ  Autoconfiança e estratégia: o japonês Taro Kono aumenta a corrida para a próxima estreia

A Polônia está expandindo um terminal de gás natural liquefeito para receber embarques do Catar, Estados Unidos, Noruega e outros exportadores. Espera-se que um novo gasoduto no Mar Báltico que transporta gás da Noruega seja inaugurado até o final do ano. Também trabalhou para reduzir a dependência do petróleo russo por meio de contratos com Arábia Saudita, Estados Unidos e Noruega e está considerando importações do Cazaquistão.

A Alemanha, a maior economia da União Europeia e um dos países mais dependentes do gás natural russo, assinou acordos com vários fornecedores de gás natural liquefeito, que é enviado para países europeus vizinhos e depois bombeado. Autoridades dizem que pretendem acabar com o uso de petróleo, carvão e gás natural russos este ano até meados de 2024.

Não parou os temores dos próximos meses. A Alemanha emitiu um alerta antecipado sobre o fornecimento de gás e pediu que empresas e famílias se conservem em meio a preocupações de que a Rússia possa interromper as entregas de gás, a menos que sejam pagas em rublos..

Os países ocidentais rejeitaram este pedido, argumentando que isso prejudicaria as sanções impostas à guerra. A França também pediu na quarta-feira que “aqueles que podem” economizar energia, incluindo eletricidade e gás, com foco especial em empresas e serviços públicos.

“Houve vários comentários do lado russo de que, se isso não acontecer (pagamentos em rublos), o fornecimento será interrompido”, disse o ministro da Economia, Robert Habeck, a repórteres em Berlim.

O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, disse que converter os pagamentos de gás russo em rublos seria um “processo prolongado”. Ele ressaltou que sempre há uma lacuna entre o fornecimento de gás e os pagamentos e que o governo anunciará os detalhes do plano em breve.

READ  Homem britânico preso após confessar ter matado 94 durante Truth or Dare

Habeck disse que essas regras são esperadas na quinta-feira.

E exigiu a necessidade de aviso prévio porque a Rússia ainda está cumprindo seus contratos até agora. Habek disse que este é o primeiro de três níveis e envolve a formação de uma equipe de crise para intensificar o monitoramento do fornecimento de gás.

Os depósitos de gás na Alemanha estão cheios até cerca de 25% de sua capacidade.

“A questão de quanto tempo o gás vai durar depende principalmente de vários fatores (como) consumo e clima”, disse ele. “Se houver muito aquecimento, as instalações de armazenamento serão esvaziadas.”

Ele acrescentou que a Alemanha está pronta para uma parada repentina no fornecimento de gás russo, mas alertou sobre “impactos significativos” e pediu aos consumidores que ajudem a evitar a escassez, reduzindo seu uso.

“Estamos em uma posição em que tenho que dizer isso claramente, cada quilowatt-hora de energia economizada ajuda”, disse Habeck.

O segundo nível de alerta exige que as empresas que operam no setor de gás tomem medidas para regular o fornecimento. O terceiro componente, disse Habeck, significa intervenção total do Estado para garantir que aqueles que mais precisam do gás – como hospitais e residências particulares – o recebam.

“Não estamos lá e não queremos ir para lá”, acrescentou.

A Itália emitiu um alerta antecipado sobre os riscos para seu suprimento de gás natural dias após o início da guerra, dada sua forte dependência da Rússia. O ministro da Transição Energética, Roberto Cingolani, disse que o alerta visa informar os usuários sobre “as incertezas associadas ao conflito”, enfatizando que os suprimentos ainda são suficientes para cobrir a demanda. As pessoas não foram solicitadas a memorizar.

READ  EUA e UE reforçam sanções à Rússia

As instalações de armazenamento de gás da França estão “bem abastecidas”, de acordo com o chefe da comissão reguladora de energia, mas ainda exigem algum esforço para economizar energia.

“Se não o fizermos, existe o risco de que a demanda do consumidor ultrapasse nossa capacidade de atender a essa demanda no próximo inverno”, disse Jean-François Karenco à rádio BFM.

A França obtém cerca de 70% de sua eletricidade de usinas nucleares. Mas durante o pico de demanda do inverno, o país precisa importar eletricidade, parte da qual é produzida por meio de usinas a gás.

___

Jordanianos relataram de Berlim. Samuel Petrikin de Bruxelas, Sylvie Courbet de Paris e Colin Barry de Milão contribuíram.

___

Esta história foi corrigida para mostrar que o primeiro-ministro da Polônia espera encerrar as importações de carvão em maio, não as importações de gás.