Junho 24, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

A OTAN está em alerta máximo depois que um avião russo quase colide com um avião polonês sobre o Mar Negro

A OTAN está em alerta máximo depois que um avião russo quase colide com um avião polonês sobre o Mar Negro

Um oficial da OTAN disse ao The Daily Beast que uma colisão quase acidental entre um avião militar russo e um polonês forçou a OTAN a colocar sua polícia aérea em “alerta máximo”.

O incidente ocorreu sobre o Mar Negro perto da Romênia na sexta-feira, quando o avião polonês estava em patrulha como parte de suas responsabilidades com a Frontex, agência de fronteiras da UE. A Frontex está sediada em Varsóvia, na Polónia.

“Os destacamentos da Polícia Aérea da OTAN foram colocados em alerta máximo em resposta ao comportamento perigoso de uma aeronave militar russa perto de uma aeronave polonesa da Frontex sobre o Mar Negro, perto da Romênia, na sexta-feira”, disse o oficial ao The Daily Beast. “A OTAN ainda está vigilante.”

O funcionário não respondeu a perguntas sobre o que a OTAN avalia a intenção da Rússia no incidente.

O russo Su-35 fez três “manobras agressivas e perigosas” em direção à aeronave polonesa, segundo a Guarda de Fronteira polonesa. Os guardas de fronteira poloneses disseram nas redes sociais que a tripulação polonesa perdeu o controle e a altitude como resultado.

De acordo com a avaliação da tripulação, o avião russo estava a apenas cinco metros de distância em um ponto.

O oficial da OTAN disse que as unidades com maior nível de prontidão são aeronaves espanholas designadas para a missão de polícia aérea na Romênia.

Os aviões russos frequentemente realizam voos inseguros e pouco profissionais perto de aviões de outros países, segundo autoridades americanas. Algumas dessas manobras podem levar a uma escalada não intencional, de acordo com autoridades dos EUA. Autoridades dos EUA disseram que esse comportamento começou a aumentar em março.

A notícia chega apenas algumas semanas depois que um Su-35 russo realizou uma interceptação “insegura e pouco profissional” de um F-16 dos EUA sobre a Síria, segundo o Pentágono. O incidente mais recente também ocorre dois meses depois que um Su-27 russo realizou uma manobra insegura e pouco profissional, atingindo um drone americano sobre o Mar Negro. Força aérea dos Estados Unidos O MQ-9 foi completamente abatido após o acidente devido aos danos que sofreu.

No incidente do MQ-9, jatos russos dispararam combustível na frente do drone em um movimento provocativo.

Na época, a Rússia negou que tivesse agido de forma não profissional e que tivesse atingido o drone americano. Autoridades russas disseram que o drone caiu depois de fazer uma manobra brusca e afirmaram que estava voando em direção à península da Crimeia, que a Rússia tomou da Ucrânia em 2014.

John Kirby, coordenador do Conselho de Segurança Nacional da Casa Branca, disse na época que esse tipo de movimento não impediria os Estados Unidos de operar no Mar Negro, mesmo com a Rússia continuando a guerra na Ucrânia.

“Se a mensagem é que eles querem nos impedir ou dissuadir de voar e operar no espaço aéreo internacional, sobre o Mar Negro, essa mensagem falhará… Continuaremos a voar e operar no espaço aéreo internacional sobre águas internacionais”, disse Kirby. em março.