Junho 14, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

A onda de negócios do JPMorgan está sob escrutínio do regulador bancário dos EUA

A onda de negócios do JPMorgan está sob escrutínio do regulador bancário dos EUA

A devida diligência do JPMorgan Chase em sua recente onda de aquisições está sendo examinada pelos reguladores dos EUA em uma revisão envolvendo um acordo de US$ 175 milhões com o fundador de uma startup que foi acusado criminalmente esta semana de fraudar o banco.

O Escritório do Controlador da Moeda, que supervisiona os bancos nacionais, designou uma auditoria específica do negócio do JPMorgan depois que o banco comprou dezenas de empresas menores em 2021 e 2022, segundo pessoas familiarizadas com o assunto. Um deles era Frank Apprentice for Student Financial Aid. Seu fundador, Charlie Javis, foi acusado de conspiração para cometer fraude bancária, eletrônica e de valores mobiliários.

As acusações vêm quatro meses depois que o JPMorgan entrou com uma ação civil alegando que Javis, 31, disse ao banco que Frank tinha 4,25 milhões de clientes quando na verdade ele tinha apenas 300.000. Os promotores disseram que ela ganharia US$ 45 milhões com a venda da empresa.

Uma revisão da OCC estava prevista antes do processo do JPMorgan, disseram as pessoas. Mas as alegações de fraude farão do negócio de Frank uma importante área de foco devido à falha do banco em divulgar o suposto engano durante o processo de compra. Desde então, o CEO Jamie Dimon chamou o acordo de “grande erro”.

As estatísticas da Dealogic mostraram que o contrato do JPMorgan envolveu 80 aquisições e investimentos estratégicos em 2021 e 2022. A atividade aumentou drasticamente depois que Dimon disse em janeiro de 2021 que o banco “deveria temer implacavelmente” sobre ameaças emergentes de empresas de tecnologia, de acordo com uma pessoa familiarizada com a fusão. e estratégia de aquisição.

Os acordos incluíram a compra do blog de culinária The Infatuation e do agente de viagens de luxo Frosch, bem como o controle acionário do braço de pagamentos da Volkswagen e uma participação minoritária no banco digital brasileiro C6.

JPMorgan e OKCC se recusaram a comentar. Os advogados de Javice não responderam aos pedidos de comentários. Em uma reconvenção contra o JPMorgan, Javis negou as alegações de fraude de conta do banco.

Javis fundou a firma de Frank em 2017 para ajudar os clientes a solicitar ajuda financeira para seus estudos. O JPMorgan anunciou o acordo de Frank em setembro de 2021, comprando-o por meio da divisão de banco de varejo do Chase com o objetivo de dar ao credor maior acesso a clientes mais jovens.

Os promotores alegaram em processos judiciais que Javis repetidamente enganou o JPMorgan ao pagar um professor de ciência de dados para fabricar as informações necessárias para fechar o negócio e pagar US$ 105.000 a uma lista de milhões de estudantes.

A aquisição de US$ 175 milhões de Frank foi insignificante para um banco que tem mais de US$ 2 trilhões em ativos e lucrou mais de US$ 37 bilhões no ano passado. Mas agora emergiu como um dos piores negócios que o JPMorgan fechou em anos.

Os problemas surgiram meses após o fechamento do negócio, quando o JPMorgan procurou determinar por que as taxas de entrega de e-mail de Frank e a abertura de clientes estavam muito abaixo do esperado. Sua investigação interna descobriu o que as autoridades agora alegam ser um esquema de meses para fabricar dados.

Reportagem adicional de Eric Platt e Sujit Indap