Junho 22, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

A maioria dos americanos não tem certeza de como Xi da China lidará com os assuntos mundiais

A maioria dos americanos não tem certeza de como Xi da China lidará com os assuntos mundiais

  • Uma pesquisa do Pew Research Center descobriu que a maioria dos americanos entrevistados não tem muita confiança de que o presidente chinês Xi Jinping “fará a coisa certa nos assuntos mundiais”.
  • O estudo descobriu que 13% dos americanos disseram que nunca tinham ouvido falar de Xi – o que aumentou para 27% entre os participantes de 18 a 29 anos.
  • No entanto, constatou a pesquisa, mais da metade das pessoas nos Estados Unidos disse que os dois países poderiam trabalhar juntos em política comercial e econômica e intercâmbio estudantil.

O presidente dos EUA, Joe Biden, se encontra com o presidente chinês, Xi Jinping, à margem da Cúpula dos Líderes do G20 em Bali, Indonésia, em 14 de novembro de 2022.

Kevin Lamark | Reuters

A maioria dos adultos norte-americanos entrevistados disse não ter muita confiança de que o presidente chinês, Xi Jinping, “fará a coisa certa nos assuntos mundiais”, de acordo com uma pesquisa do Pew Research Center divulgada na quarta-feira.

A pesquisa constatou que, apesar desse pessimismo, mais da metade das pessoas nos Estados Unidos disse que os dois países poderiam trabalhar juntos no comércio e na política econômica.

O estudo, que abrange mais de 3.500 adultos americanos entre 20 e 26 de março, ocorre no momento em que as tensões entre os EUA e a China aumentaram a ponto de uma interação bilateral limitada. Pressionar Pequim é um dos poucos temas com forte apoio bipartidário nos Estados Unidos

Enquanto isso, Xi consolidou seu poder na China e busca aumentar a influência global da China.

Em março, a China intermediou a restauração das relações diplomáticas entre os rivais do Oriente Médio, Arábia Saudita e Irã. Até agora, Pequim se recusou a condenar a invasão não provocada da Rússia na Ucrânia, ao mesmo tempo em que pediu negociações de paz.

Não está claro o quão cientes os entrevistados do Pew estão de tais eventos e desenvolvimentos globais.

O estudo constatou que 13% dos americanos que participaram da pesquisa disseram nunca ter ouvido falar de Xi – uma porcentagem que subiu para 27% entre os entrevistados de 18 a 29 anos.

No entanto, a maioria dos entrevistados teve uma visão pessimista: quase metade, ou 47%, disse não ter “nenhuma confiança” em Xi lidar bem com os assuntos mundiais, enquanto outros 30% disseram não ter “muita confiança”.

O relatório afirmou que cerca de três quartos dos entrevistados disseram que a China não leva em consideração os interesses de países como os Estados Unidos e que a China interfere nos assuntos de outros países.

Mais da metade dos entrevistados disse que a China não contribui para a paz e estabilidade mundial.

Isso contradiz diretamente a narrativa de Pequim de que contribui para a paz mundial e o desenvolvimento econômico.

A China foi responsável por mais de 15% do PIB global nos últimos anos, de acordo com dados do Banco Mundial. Em 2010, a China ultrapassou o Japão e se tornou a segunda maior economia do mundo, atrás apenas dos Estados Unidos.

Este ano, o Ministério das Relações Exteriores da China publicou documentos destacando o envolvimento dos EUA no “Muitas guerras no exterior” e reivindicando alianças dos EUA na região da Ásia-Pacífico Destina-se a “minar a paz”.

A cooperação entre os Estados Unidos e a China em questões econômicas foi uma das duas áreas em que os entrevistados do Pew permaneceram mais otimistas.

Pouco mais da metade disse que os dois países poderiam cooperar em política comercial e econômica, disse o relatório, sem detalhar questões sobre políticas específicas.

O Pew descobriu que a única outra categoria na qual mais da metade dos entrevistados disse que os dois países poderiam cooperar eram os programas de intercâmbio estudantil.

O número de estudantes chineses nos Estados Unidos e estudantes americanos estudando na China diminuiu drasticamente durante a pandemia de Covid. Foi um reflexo de uma desaceleração geral nas viagens de ida e volta que ainda precisa aumentar significativamente, De acordo com um relatório Foi publicado na semana passada pelo Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais, uma organização bipartidária de pesquisa política e think tank com sede em Washington, DC.

O relatório foi co-escrito por Scott Kennedy, presidente do CSIS em Negócios e Economia da China, e Wang Jesse, presidente fundador do Instituto de Estudos Estratégicos Internacionais da Universidade de Pequim.

Leia mais sobre carros elétricos no CNBC Pro

Em visitas à China nos últimos 12 meses, Kennedy disse que as pessoas que conheceu lhe disseram que Washington era totalmente responsável pela deterioração das relações EUA-China e que a China ainda estava no caminho inevitável para se tornar uma grande potência.

Espera-se que a China ultrapasse os Estados Unidos como a maior economia do mundo nos próximos anos.

Uma narrativa profundamente enraizada na China, e frequentemente citada por Xi, é que o governante Partido Comunista Chinês está liderando o país “no lado certo da história” e saindo do século XIX. “humilhação” pelos imperialistas ocidentais.

A maioria dos entrevistados do Pew não viu áreas de potencial cooperação entre os Estados Unidos e a China.

De cinco dessas áreas incluídas na pesquisa, três tiveram mais da metade dos entrevistados expressando pessimismo: resolução de conflitos internacionais, política de mudança climática e tratamento da propagação de doenças infecciosas.

“Não sei o que poderíamos trabalhar com eles. Certamente não o clima”, disse o relatório do Pew, citando uma mulher de 25 anos não identificada que participou de um grupo focal.

O governo Biden disse que os Estados Unidos estão competindo com a China e impôs uma proibição à exportação de tecnologia crítica de semicondutores para a China. Isso ocorreu após as tarifas impostas pelo governo Trump sobre produtos chineses e a lista negra da gigante chinesa de telecomunicações Huawei.

Uma pesquisa recente do Pew descobriu que quase metade das pessoas pesquisadas nos Estados Unidos disseram que a China está obtendo mais do comércio bilateral, e mais de 80% disseram que o crescente poder tecnológico da China é um problema sério – se não muito sério – para os Estados Unidos.

Xi e o presidente Joe Biden se encontraram pessoalmente em novembro pela primeira vez desde que Biden assumiu o cargo. Mas, de acordo com registros públicos, os dois líderes não se falam desde que os EUA derrubaram um suposto balão espião chinês no espaço aéreo dos EUA em fevereiro.

O acidente do balão fez com que o secretário de Estado dos Estados Unidos, Antony Blinken, adiasse sua viagem a Pequim. Fontes disseram à CNBC na semana passada que altos funcionários do Departamento de Comércio visitarão a China como parte de um esforço para estabelecer as bases para uma possível viagem da secretária Gina Raimondo ainda este ano.

— Kayla Tosh da CNBC contribuiu para este relatório.

Política da CNBC

Leia mais da cobertura política da CNBC: