maio 28, 2022

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

A lição de mercado no Spotify, drama de Joe Rogan: Morning Brief

Este primeiro artigo foi publicado no Morning Brief. Receba o Resumo da manhã diretamente na sua caixa de entrada de segunda a sexta-feira às 6h30 ET. Se inscrever

quarta-feira, 2 de fevereiro de 2022

Concentre-se nos fundamentos, ignore as brigadas de indignação

Desde a Neil Young saiu ruidosamente do Spotify em protesto por sua hospedagem de Joe Rogan, a plataforma sofreu um gotejamento lento de sucessos de um passado era optando por se juntar a Young, e um torrent de má imprensa. Enquanto isso, pesquisas relacionadas no Google ter cravado nos últimos dias.

Nos últimos dias, Joni Mitchell, Nils Lofgren, Graham Nash, India Arie (um favorito pessoal) também retiraram suas músicas do Spotify (LOCAL) em solidariedade em um esforço para derrubar o podcaster – de longe a personalidade mais popular do Spotify, com 11 milhões de ouvintes.

No domingo, a gigante do streaming prometeu promover “regras da estrada” para seu conteúdo e planeja adicionar um aviso de conteúdo a qualquer episódio de podcast sobre o COVID-19. Alexandra Canal, do Yahoo Finance, informou.

No entanto, em meio a um clamor para “excluir o Spotify”, a empresa categoricamente – e com bastante razão – recusou ligações para descartar Rogan, ou “assumir a posição de um censor de conteúdo.

Talvez seja um símbolo (ou sintoma?) do nosso momento cultural viciado em ultraje que CNBC publicou um explicador sobre como sair do Spotify — e até deu à Apple (AAPL) Music um plugue gratuito no processo, enquanto o The New York Times perguntou incisivamente se Spotify tem uma crise de identidade (ou seja, é uma plataforma de streaming de música/podcast ou uma empresa de mídia).

Bloomberg observou corretamente que o Spotify está sendo arrastado em território normalmente reservado para infratores de Big Tech como Facebook, Twitter e Google – mas errou o alvo ao sugerir que o público estava “preso na jaula do Spotify”. É tudo parte do que o empresário de tecnologia e profissional do Twitter Mike Solana escreveu recentemente foi um “ciclo nacional de desculpas de raiva” isso é “sem fim”.

READ  Justin Timberlake convidou Janet Jackson para se apresentar no Super Bowl 2018 – The Hollywood Reporter

Há muito que pode ser dito sobre o tumulto de Rogan: se vale a pena as manchetes sem fôlego (não vale); Se ele é culpado de “espalhar desinformação” como um cético de vacinas que às vezes entrevista pessoas com opiniões semelhantes (um ponto discutível na melhor das hipóteses), e se o esforço para desplatá-lo constitui censura (inquestionavelmente, sim).

Pessoas razoáveis ​​podem discordar. No entanto, sempre que uma empresa de capital aberto entra em conflito com a opinião pública, é melhor confiar em alguns princípios básicos que o Morning Brief invocou antes.

A controvérsia está enraizada nos fundamentos do negócio? O que os acionistas pensam e o que o preço das ações reflete? E o mais importante, a empresa em questão pode se posicionar com sucesso contra uma multidão de mídia social?

Um boato que surgiu na semana passada foi que o Spotify custou bilhões aos investidores ao escolher Rogan em vez de Young. Essa ideia merece ser completamente desmascarada.

No ano passado, um canard semelhante surgiu durante a Netflix (NFLX) batem sobre Dave Chappelle, e durante o Meta (FB) escândalos sobre seu impacto nas adolescentes. Em ambos os casos, o mesmo Os princípios do Brief da Manhã levantados na época vale para o Spotify: o preço das ações contará a história.

Quando a controvérsia Young estourou na semana passada, o Spotify foi um dos muitos ações em alta no turbilhão de um mercado preocupando-se com a próxima era de taxas de juros mais altas, um anátema para os investidores em geral, mas para as ações de tecnologia em particular.

As ações do Spotify estavam se comportando de acordo, e não em reação ao que a saída de um músico temperamental e envelhecido faria com a empresa (ou seus ouvintes, que devem ser ditos são as verdadeiras vítimas quando o conteúdo é colocado na lista negra ou a música não está mais disponível). Os problemas das ações eram mais um reflexo de um mercado volátil e menos temores de um êxodo de artistas.

READ  Priyanka Chopra e Nick Jonas são "gratos" um ao outro. O que está no título?

Vale a pena mencionar que, como mais alguns nomes saíram na terça-feira, o Spotify saltou mais de 3%, em linha com um rali mais amplo do mercado. E desde que atingiu uma baixa de 52 semanas em 28 de janeiro, as ações agora subiram quase US$ 40.

E por enquanto, pelo menos, Wall Street ainda gosta das ações. Oppenheimer classifica-o como um Desempenho (pior do que um Desempenho Superior, mas melhor do que uma classificação de Desempenho Insatisfatório/Venda).

“Os artistas que estão saindo [Spotify] não necessariamente vai levar [subscribers] com eles”, disse o analista da CFRA John Freeman ao Yahoo Finance esta semana. A concorrência mais acirrada da Amazon e da Apple é um risco para o Spotify daqui para frente, alertou.

Interessante, ele tem uma classificação de compra nas ações, porque “há algumas tendências seculares muito poderosas que estão impulsionando o crescimento da empresa em todo o mundo”.

E, no final, essas tendências são o que mais importa para os investidores – e não para os usuários de mídia social com forcados digitais, em busca da última bruxa para queimar.

Por Javier E. Davideditor na Yahoo Finanças. Siga-o em @Teflongeek

Nota do editor: Queremos seu feedback. Por favor responda a esta pesquisa rápida para nos informar se devemos lançar outro boletim informativo. Se a resposta for sim, que tipo de conteúdo a newsletter deve incluir?

O que assistir hoje

Economia

  • 07:00 ET: Aplicações de hipoteca de MBA, semana encerrada em janeiro 28 (-7,1% durante a semana anterior)

  • 8h15 ET: Mudança de emprego ADP, Janeiro (184.000 esperados, 807.000 no mês anterior)

Ganhos

Pré-mercado

  • 06:00 ET: ThermoFisher Scientific (TMO) deve divulgar lucro ajustado de US$ 5,15 por ação e receita de US$ 9,63 bilhões

  • 06h05 ET: Maratona de Petróleo (MPC) deve divulgar lucro ajustado de 56 centavos por ação e receita de US$ 27,97 bilhões

  • 6h30 ET: AmerisourceBergen (abc) deve divulgar lucro ajustado de US$ 2,58 por ação e receita de US$ 59,70 bilhões

  • 6h30 ET: Boston ScientificBSX) deve divulgar lucro ajustado de 44 centavos por ação sobre receita de US$ 3,11 bilhões

  • 6h30 ET: humana (ZUMBIR) deve divulgar lucro ajustado de US$ 1,15 por ação e receita de US$ 21,16 bilhões

  • 7h40 ET: AbbVie (ABBV) deve divulgar lucro ajustado de US$ 3,27 por ação e receita de US$ 15,00 bilhões

READ  A terceira temporada de TNG Reunion não é um passeio na memória - TrekMovie.com

Pós-mercado

  • 16h00 ET: T móvel (TMUS) deve divulgar lucro ajustado de 12 centavos por ação sobre receita de US$ 21,07 bilhões

  • 16h00 ET: QualcommQCOM) deve divulgar lucro ajustado de US$ 3,00 por ação e receita de US$ 10,45 bilhões

  • 16h05 ET: Metaplataformas (FB) deve divulgar lucro ajustado de US$ 4,20 por ação e receita de US$ 33,43 bilhões

  • 16h05 ET: Spotify (LOCAL) deve relatar perdas ajustadas de 39 centavos por ação sobre receita de US$ 2,65 bilhões

Política

Manchetes

Alphabet, controladora do Google, supera as expectativas do 4º trimestre, com aumento de 32% na receita [Yahoo Finance]

Bolsas europeias ganham impulso de alta após a rota de janeiro [Yahoo Finance UK]

Lucros da Starbucks são atingidos pela inflação, aumento dos custos dos trabalhadores e queda nas vendas na China [Yahoo Finance]

Pfizer pede que FDA autorize vacina contra COVID para crianças menores de 5 anos [Politico]

Destaques do Yahoo Finanças

A Casa Branca está tentando preparar os americanos para um relatório de empregos ‘estranho’

Investidores de varejo compraram a queda em janeiro quando as instituições fugiram: BofA

Loucura de estoque de memes — GameStop e AMC um ano depois

Leia as últimas notícias financeiras e de negócios do Yahoo Finance

Siga o Yahoo Finance em Twitter, Instagram, YouTube, o Facebook, Flipboarde LinkedIn