Maio 19, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

A gripe aviária chegou à Big Apple

A gripe aviária chegou à Big Apple

A gripe aviária atingiu as aves da cidade de Nova York. Num novo estudo publicado na quarta-feira, cientistas relataram vestígios do vírus altamente patogénico H5N1 num pequeno número de aves selvagens na cidade de Nova Iorque. Embora esta descoberta possa não estar diretamente relacionada com o surto de H5N1 em curso nas vacas leiteiras dos EUA, é outro sinal de que estes vírus estão a invadir ainda mais o caminho da humanidade.

procurar, Publicados Quarta-feira na revista Virology, foi o resultado de uma nova colaboração entre vários grupos: a Icahn School of Medicine no Mount Sinai, o Wild Bird Fund e o Biobus, um programa que recruta estudantes do ensino médio e universitários para participarem de pesquisas científicas.

“Que eu saiba, este é o primeiro estudo em grande escala dos EUA sobre a gripe aviária em uma área urbana, e o primeiro com envolvimento ativo da comunidade”, disse a autora do estudo, Christine Marizzi, diretora de ciência comunitária da Biobus do Harlem, em um artigo. declaração Da Sociedade Americana de Microbiologia, editores do estudo. Marizzi também é o investigador principal do programa New York City Virus Hunters (NYCVH).

Muitas das amostras de excrementos de pássaros analisadas pelos pesquisadores foram coletadas por estudantes do ensino médio local que usavam equipamentos de proteção. Outras amostras foram fornecidas por centros locais de reabilitação de animais. Os alunos também ajudaram a equipe do NYCVH a examinar os vírus nessas amostras.

Finalmente, os pesquisadores analisaram quase 2.000 amostras de fezes coletadas entre janeiro de 2022 e novembro de 2023 em parques e espaços verdes da cidade de Nova York. Eles encontraram o vírus H5N1 em seis aves pertencentes a quatro espécies diferentes: gansos canadenses, falcões peregrinos, galinhas domésticas e falcões de cauda vermelha. A análise genética também revelou a presença de pelo menos duas cepas ligeiramente diferentes de H5N1 entre essas amostras. Ambas as cepas pertencem ao clado mais amplo 2.3.4.4.b do vírus H5N1 e parecem ser uma mistura de cepas locais de vírus na América do Norte e na Eurásia.

Até o momento, nenhum surto de H5N1 foi relatado em fazendas leiteiras dentro das fronteiras de Nova York (o estado tem aproximadamente 3.500 fazendas), embora o único caso humano associado a estes surtos até à data ocorrido No Texas. Assim, as descobertas da equipa não parecem estar relacionadas com a situação actual das vacas, nem indicam necessariamente qualquer perigo imediato para os residentes da cidade de Nova Iorque, salientam os autores.

“É importante observar que, como encontramos o vírus H5N1 em aves urbanas, isso não indica o início de uma pandemia de gripe humana. Sabemos que o vírus H5N1 está presente na cidade de Nova York há aproximadamente dois anos, e nenhum humano. casos foram relatados”, disse Marizzi.

Mas mesmo assim a chegada do vírus H5N1 a Nova Iorque é preocupante. Quanto mais estes vírus se espalharem entre aves próximas de nós, maior será a probabilidade de alguns deles se espalharem para humanos ou outros mamíferos. Com bastante azar, uma destas estirpes poderia adquirir a combinação certa de mutações que a transformariam numa pandemia mortal e de rápida propagação.

Portanto, mesmo que os recentes surtos na pecuária sejam geridos com sucesso, o H5N1 e outros vírus da gripe aviária altamente patogénicos continuarão a ser um problema constante que cientistas como Marizzi devem acompanhar atentamente. Os nova-iorquinos precisam permanecer cautelosos quanto à possível exposição ao vírus H5N1 e a outros germes transmitidos por animais.

“É inteligente ficar alerta e longe da vida selvagem. Isso também inclui evitar que seus animais de estimação tenham contato próximo com a vida selvagem”, disse Marizzi.