Junho 17, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

A África do Sul vota numa eleição que poderá provocar a maior transformação desde 1994

A África do Sul vota numa eleição que poderá provocar a maior transformação desde 1994

JOANESBURGO (AP) – Os eleitores sul-africanos começaram a votar na quarta-feira Nas eleições São vistos como os mais importantes no seu país em 30 anos e poderão colocar a sua democracia incipiente em território desconhecido.

Em jogo estão três décadas de domínio Partido do Congresso Nacional Africanoo que levou à saída da África do Sul do Governo brutal da minoria branca sob o apartheid em 1994. Agora ela é alvo de uma nova geração de descontentamento num país de 62 milhões de pessoas – estima-se que metade delas viva na pobreza.

A economia mais desenvolvida de África tem algumas das maiores economias do mundo Problemas sociais e econômicos mais profundosincluindo uma das piores taxas de desemprego, de 32%.

A desigualdade persistente, com a pobreza e o desemprego a afectar desproporcionalmente a maioria negra, ameaça destituir o partido que prometeu acabar com ela derrubando o apartheid sob a bandeira de uma vida melhor para todos.

Depois de vencer seis eleições nacionais consecutivas, muitas sondagens de opinião colocam o apoio do ANC em menos de 50% antes das eleições actuais, um declínio sem precedentes. Ele poderá perder a maioria no parlamento pela primeira vez, embora se espere que detenha o maior número de assentos.

O apoio começou a desaparecer. O ANC obteve 57,5% dos votos nas últimas eleições nacionais em 2019, o seu pior resultado até à data.

Presidente sul-africano Cyril RamaphosaO líder do ANC prometeu “fazer melhor”. O ANC pediu mais tempo e paciência.

Qualquer mudança no controlo do ANC sobre o poder poderá ser de grande importância para a África do Sul. Se perder a maioria, o ANC enfrentará provavelmente a perspectiva de ter de formar uma coligação com outros para permanecer no governo e manter Ramaphosa como presidente. Nunca antes o ANC teve de participar na governação.

Os sul-africanos votam em partidos, não diretamente no seu presidente. Os partidos obtêm então assentos no parlamento de acordo com a sua percentagem de votos, e estes legisladores elegem o presidente após a eleição. O ANC sempre teve a maioria no Parlamento desde 1994.

Eleições serão realizadas Num dia, nas nove províncias da África do Sul, quase 28 milhões de pessoas registaram-se para votar em mais de 23 mil assembleias de voto. A previsão é que os resultados finais sejam divulgados até domingo. Ramaphosa deverá votar esta manhã numa escola primária na cidade de Soweto, em Joanesburgo, onde nasceu e que já foi o centro da resistência ao apartheid.

Lá, Samuel Ratchalengwa estava entre as primeiras pessoas na fila no frio do início do inverno da África do Sul.

“Considero votar um assunto sério porque, como comunidades, é difícil reclamar dos serviços quando não se vota”, disse ele. “O nosso principal problema aqui na nossa comunidade é a falta de empregos. Temos que usar a votação para fazer ouvir a nossa voz sobre esta questão.

A oposição ao ANC nestas eleições é feroz, mas fragmentado. Não se espera que os dois maiores partidos da oposição, a Aliança Democrática e os Combatentes pela Liberdade Económica, aumentem os seus votos o suficiente para superar o ANC.

Em vez disso, os sul-africanos insatisfeitos estão a mudar-se para uma série de partidos da oposição; Mais de 50 pessoas competirão nas eleições nacionais, muitas delas novas. Um deles é liderado pelo ex-presidente sul-africano Jacob Zuma, que fez exatamente isso Ele se voltou contra seus ex-aliados no ANC. Zuma foi desqualificado para concorrer ao parlamento, mas o seu partido ainda está na disputa e é o wildcard. Ele estava programado para votar em uma área rural de sua província natal, KwaZulu-Natal.

O ANC diz estar confiante em manter a sua maioria. Ramaphosa observou que a África do Sul é agora um país muito melhor do que era sob o apartheid, quando os negros eram impedidos de votar, não eram autorizados a circular livremente, tinham de viver em áreas designadas e eram perseguidos de todas as formas.

Memórias daquela época e A votação decisiva que encerrou tudo Em 1994, ele ainda fotografava grande parte da vida cotidiana na África do Sul. Mas poucos se lembram disso com o passar do tempo.

“Esta será a sétima vez que sul-africanos de todas as raças, de todas as esferas da vida e de todas as partes do nosso país irão votar no governo nacional e provincial”, disse Ramaphosa no seu discurso final ao país antes do eleições. . “Reafirmaremos o princípio básico… de que nenhum governo pode reivindicar o poder com justiça, a menos que se baseie na vontade de todo o povo.”

Ramaphosa delineou algumas das políticas do governo do ANC para impulsionar a economia, criar empregos e expandir o apoio social Para moradores pobres. O discurso provocou reações iradas dos partidos da oposição, que o acusaram de violar a lei eleitoral, que impede titulares de cargos públicos de utilizarem o cargo para promover um partido.

A votação irá realçar os contrastes do país, desde o centro económico de Joanesburgo – descrita como a cidade mais rica de África – ao pitoresco destino turístico da Cidade do Cabo, até aos assentamentos informais de bairros de lata nos seus arredores. Milhões votarão nas zonas rurais, que ainda são consideradas o reduto do Congresso Nacional Africano, e os analistas não descartam que o partido se apegue à sua maioria, dadas as suas décadas de experiência no governo e a sua máquina de campanha popular sem paralelo.

Embora 80% da população da África do Sul seja negra, é um país multirracial com um grande número de brancos, pessoas de ascendência indiana, pessoas de herança birracial e outros. Existem 12 línguas oficiais.

É a diversidade que Nelson Mandela, o primeiro presidente negro da África do Sul, foi destacado como uma coisa bela ao se referir ao seu país como a “Nação Arco-Íris”. É uma diversidade que pode agora reflectir-se na sua política, com o surgimento de vários novos partidos de oposição.

___

Imray relatou da Cidade do Cabo, África do Sul e Motsaka relatou de Ishwe, África do Sul.

___

Notícias IP África: https://apnews.com/hub/africa