outubro 5, 2022

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

10 mortos em confrontos quando al-Sadr se retira da política no Iraque e partidários leais se casam

10 mortos em confrontos quando al-Sadr se retira da política no Iraque e partidários leais se casam

  • Lealistas de grupos xiitas rivais se enfrentam nas ruas
  • Impasse político deixa recuperação do Iraque em impasse
  • Um clérigo quer dissolver o parlamento e realizar eleições antecipadas

BAGDÁ (Reuters) – Pelo menos 10 iraquianos foram mortos nesta segunda-feira depois que o clérigo xiita Moqtada al-Sadr disse que estava deixando a política, levando seus apoiadores a invadir um complexo governamental de luxo em Bagdá e levando a confrontos com seu oponente. grupos xiitas.

Jovens leais a Sadr atacaram a sede do governo na segura Zona Verde de Bagdá, que já foi o palácio do ditador Saddam Hussein, e saíram às ruas fora da área, onde entraram em confronto com apoiadores de grupos apoiados por Teerã.

Testemunhas da Reuters disseram que o eco de tiros na capital viu algumas pessoas disparando seus rifles contra as fileiras de apoiadores de Sadr, enquanto outras dispararam para o ar em um país inundado de armas após anos de conflito e turbulência. Apoiadores de grupos rivais também atiraram pedras uns nos outros.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

A escalada seguiu-se a uma crise política de meses que impediu a formação de um novo governo. O exército logo ordenou um toque de recolher.

A polícia e os médicos disseram que dezenas ficaram feridos, além dos 10 mortos.

Al-Sadr havia anunciado anteriormente no Twitter: “Eu anuncio minha retirada final”, criticando outros líderes políticos xiitas por não responderem aos seus pedidos de reforma.

Os confrontos eclodiram horas após este anúncio, levando seus partidários, que estavam acampados há semanas no Parlamento na Zona Verde, a se manifestarem e invadirem a sede principal do Conselho de Ministros. Alguns pularam na piscina do palácio, aplaudindo e agitando bandeiras.

READ  Como é dentro de Moscou em meio à guerra na Ucrânia: Caderno do Repórter

O exército iraquiano decretou toque de recolher em todo o país e instou os manifestantes a deixar a Zona Verde.

Durante o impasse sobre a formação de um novo governo, Sadr reuniu suas legiões de apoiadores, trazendo caos aos esforços do Iraque para se recuperar de décadas de conflito e sanções e sua tentativa de combater conflitos sectários e corrupção endêmica.

Sadr, que ganhou amplo apoio ao se opor à influência dos EUA e do Irã sobre a política iraquiana, foi o grande vencedor nas eleições de outubro, mas retirou todos os seus deputados do parlamento em junho depois de não conseguir formar um governo que excluísse seus rivais, principalmente de Teerã. apoiando partidos xiitas.

Al-Sadr insistiu em eleições antecipadas e na dissolução do parlamento. Ele diz que nenhum político que está no poder desde a invasão dos EUA em 2003 pode ocupar um cargo.

IMPASSE

No anúncio de segunda-feira, al-Sadr disse que fecharia seus escritórios, sem dar detalhes, embora tenha dito que as instituições culturais e religiosas permanecerão abertas.

A decisão de Al-Sadr levou a uma escalada de tensões perigosas entre grupos xiitas fortemente armados. Muitos iraquianos temem que as ações de cada campo xiita levem a um novo conflito civil.

“Os legalistas (ao Irã) vieram e queimaram as tendas dos sadristas e atacaram os manifestantes”, disse Kadhim Haitham, um apoiador de Sadr.

Grupos pró-iranianos culparam os sadristas pelos confrontos e negaram ter atirado em alguém. “Isso não é verdade – se nosso povo tem armas, por que eles precisam atirar pedras?” disse um membro da milícia, que pediu para não ser identificado.

Al-Sadr se retirou da política e do governo no passado e também dissolveu milícias leais a ele. Mas mantém ampla influência sobre as instituições estatais e controla um grupo paramilitar com milhares de membros.

READ  Ataque de Bolsonaro ao sistema eleitoral brasileiro gera indignação | Jair Bolsonaro

Ele voltou à atividade política com mais frequência após anúncios semelhantes, embora o atual impasse no Iraque pareça ser mais difícil de resolver do que os períodos anteriores de disfunção.

O atual impasse entre al-Sadr e os xiitas deu ao Iraque o período mais longo sem governo.

Apoiadores do clérigo mercurial invadiram a Zona Verde pela primeira vez em julho. Desde então, eles ocuparam o Parlamento, interrompendo o processo de escolha de um novo presidente e primeiro-ministro.

Mustafa al-Kadhimi, um aliado de Sadr, que ainda é primeiro-ministro interino, suspendeu as reuniões do gabinete até novo aviso depois que manifestantes do movimento sadrista invadiram a sede do governo na segunda-feira.

O Iraque luta para se recuperar desde a derrota do Estado Islâmico em 2017 devido a uma disputa entre partidos políticos pelo poder e a vasta riqueza petrolífera do Iraque, o segundo maior produtor da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP).

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

(cobertura) por John Davison em Bagdá e Amina Ismail em Erbil, Iraque. Reportagem adicional de Alaa Swailem. Escrito por Lina Najm. Edição por Edmund Blair e Rosalba O’Brien

Nossos critérios: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.