Rosário Breve – Fala o enfermo

em Opinião

Tenho sido por estes dias (com suas precárias noites) o alvo involuntário mas resignado de um episódio febril mancomunado com um foco infeccioso em determinada reentrância do corpo, muito jeitosos ambos. Fui às cordas mas não atirei a toalha ao chão. Na mesinha-de-cabeceira, o costume: chá, comprimidos anticoiso, uma carrada de lenços-de-papel amarfanhados de muco & de vagidos, canjas repetidas como ideias fixas & a pagela do Santo Irmão Doutor Souza Martins – tudo através da minha vaga desesperança dos dias saudáveis consolidada no egoísmo-coitadinho-do-doentinho. Isto, é claro, incha, desincha & passa. Há tão-só que aguentar com pachorra de santo estas veleidades do diabo. E há que ser homem vertebrado – o que aliás nem é grande ideia, já que me doem & rangem quase todos os ossos do corpo.
Consequência fatal: nestas condições, o corpo dá ainda muito menos trela ao mundo exterior. Quero dizer: como já sou, em estado são a 37.4 Cº, um pessimista relativizador dos absolutos absurdos do famigerado politicamente-correcto, não é por agora estar com quase 39 graus que vou dar importância à rábula dos compères Croquete de Washington & Batatinha de Pyongyang. Do Sporting pelas ruas-da-amargura, já disse o que tinha a dizer. Pior: só na terça-feira passada tive acesso postal à edição em papel deste V.º Jornal.
Foi na cama que o recebi e assimilei. Não é porém o meu comentário dele que interessa – é o que ele suscita de reflexão aos Leitores mais esclarecidos, que os há e felizmente não tão poucos quanto isso. Marcelo na Feira? Passo. Barreiras/EN 114? Ninguém passa. Benavente/Quercus/nove autarcas? Não me surpreende. Falta de enfermeiros em Santarém? Pois. Sumiço do tartan de Riachos? Se não fosse triste, daria para rir. Só espero que não o tenham transformado & levado para Alcanena, onde apareceu um sintético dado como novo. Para piorar tudo (mais ainda), temos o sinapismo do Mundial à porta: Cristiano, Cristianinho, Dolores Aveiro, treinos da Selecção ao mais enjoativo milímetro, mordomias de hotel, fait-divers parolos sobre aquele rincão da Rússia a partir do qual os nossos jogadores recebem uma escandalosa batelada de euros por dia etc. etc. etc.
Sim, estou doente. Reitero: a paciência, que nos dias normais me é já tão pouca, só me dá para vir aqui enfermar, não para informar. Tenho canja nova ao lume. Consegui um ramito de hortelã para ela. Todavia, a própria água-mineral me sabe a xarope rançoso. Os professores deste País são roubados pelo Governo do mesmo. Ainda tenho mel para a infusão de camomila. Desconheço qual foi o bocado de parede que tenha caído hoje no centro velho da Capital do Ribatejo. Caio eu. De cama, claro – e tendo por única luzinha-ao-fundo-do-túnel a vela acesa ante o benévolo & milagreiro rosto do Santo Irmão Doutor Souza Martins, esse sim nosso, muito mais nosso do que Marcelos feirantes de cá perto e do que Croquetes & Batatinhas de lá, felizmente, longe.

Daniel Abrunheiro

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

*

Ultima de Opinião

Cacharolete futebolístico

Os últimos tempos têm sido pródigos em acontecimentos no já prodigioso círculo

A noite do tempo?

Uma das reivindicações mais frementes do feminismo actual reside na do corpo.
0 0.00
Ir para Topo