Rosário Breve – Andamento do resultado (sem tempo para descontos)

em Opinião

Foi há quarenta anos. Era partida de futebol a contar para a Zona Centro da Segunda Divisão Nacional. No entretanto demolido estádio municipal cá do sítio, União de Coimbra 0 – União de Santarém 0. Resultado justo para o que se passou em campo. Estive na bancada. Começava eu então a deixar de ser menino. Foram noventa minutos contemporâneos do princípio do (meu) mundo – pois que ninguém grave me havia então morrido.
Dezoito anos volvidos sobre esse manso empate, fui eu a deslocar-me à capital do Ribatejo. Movia-me lá o propósito de uma entrevista com determinado familiar directo do maravilhoso doutor António Martinho do Rosário, vulgo Bernardo Santareno. Obtive a entrevista, que depois radiodifundi para memória, que eu saiba, de ninguém. Santarém 1 – Coimbra 1.
Bem. Passados que foram oito anos mais, e algures nas imediações da tão mal-aproveitada Scalabis, jantei com & a convite de duas jovens senhoras muito bem-postas: Santarém 3 – Coimbra 2. Nesse mesmo anuário, comemorei livrescamente o 30.º aniversário do 25 de Abril no jardim-feito-Casa do doutor Pedro Canavarro (cujo recente livro ainda não tenho mas hei-de ter). Tal foi lá em cima, onde o Sol abre de si as Portas – Santarém 4 – Coimbra 3.
Do tudo disto, (re)tiro & (res)guardo o pequeno-nada de ser verdade tudo. Não me acrescento nem me subtraio: são coisas que, minhas, a outros pertencem também. O ponto está em esta crónica me devir rectilineamente da edição passada (31-5-18) dO RIBATEJO. A manchete desse fértil & festivo número foi: “A Feira está mais ribatejana”. Bom. Ainda bem. Entretanto, & na página 14 da mesma publicação, o meu amigo Arnaldo Vasques cronicava, a benigno preceito como sempre, sob este título: “A nossa Feira”. Como na comum & global vida, presente & pretérito mesclaram-se. Ninguém conhece o porvir – mas o presente é iluminável sem dor mercê de lâmpadas passadas, cuja luz é incapaz de fazer mal a quem não ande aqui só para usar na moleirinha um daqueles chapéus-há-muitos-ó-palerma! Eis pois que, portanto, Santarém 5 – Coimbra 4.
A presente & corrente crónica poderia, já & por aqui, dobrar a finados de si mesma – mas não dobra, que eu não deixo. Tenho mais dela, e por ela, a dizer. Digo: não fui este ano à Feira do Ribatejo. Não pôde ser. Outro ano será, espero. Perda minha: Santarém 6 – Coimbra 4. O facto é eu viver, hoje em dia, outras feiras. Mormente, a feira-do-quotidiano. Hoje mesmo, ao rés-vés (e ao revés) do primeiro autocarro da manhã, uma rapariga branca como um lírio & grávida como um pote deixado à chuva, desmaiou na paragem dos autocarros. Socorremo-la todos, atrapalhando-nos de aflição uns aos outros. A em-breve-mãe recuperou sangue, tensão & consciência, agradecendo-nos a todos o susto & o préstimo. Santarém 6 – Coimbra 6 (o feto também conta).
Termino sem cansativo prolongamento. Assim: pela mesma edição passada deste V.º Jornal, fiquei a saber, a páginas 41, que a União Desportiva de Santarém (UDS) “segue em frente rumo à subida”. Muito bom. Muito bem. Já o recorrente, atento & atencioso leitor Rudi B. comentava, a propósito, que “vamos lá a ver se será desta que a UDS ganha asas para pousar nos campeonatos nacionais”. Oxalá. Nota daqui: o meu emblema local foi rebaptizado Clube União 1919. Tem a ver com a bancarrota a que alguém (ou alguéns) levou o mui formoso & mui operário Clube de Futebol União de Coimbra. Ainda não temos equipa sénior, só camadas jovens – mas lá iremos. Cá estarei, nos entretantos, para novo vitorioso empate entre a Santarém que é minha & a Coimbra que faço Vossa. Parafraseando: cidades que, minhas, vos a Vós pertencem também, ainda, desde & para sempre. Ninguém perde. Ganhamos todos.

Daniel Abrunheiro

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

*

Ultima de Opinião

Professores que recordamos

Como nossos, apropriámo-nos deles! Numa partilha de respeito e amizade, os Professores
0 0.00
Ir para Topo