• Foto-05.jpg
  • Foto-04.jpg
  • Foto-02.jpg
  • Foto-03.jpg
  • FOTO-01.jpg

Festa em Santarém na Primavera de 1914

em Opinião

Nas festas de Santarém há mais de 100 anos o público local não gostou do resultado de um concurso de carros alegóricos e destruiu o vencedor. Outros tempos, definitivamente.

memória Santarém foi em tempos uma “das mais lindas cidades de Portugal”, escrevia a revista Ilustração Portugueza na edição de 01 de Junho de 1914, num artigo sobre as festas que decorreram com “um grande brilhantismo”, num “começo formoso da primavera”.
Com a cidade engalanada, o evento atraiu inúmeros visitantes que procuravam “gosar uns dias felizes”. O programa, “cheio de atrativos deveras interessantes”, incluiu uma parada agrícola; uma batalha de flores, na qual participaram “carros lindamente ornamentados”; um “cortejo cívico”; bem como diversas iniciativas realizadas no recém baptizado Jardim da República. Houve ainda lugar para um curioso “concurso de pirotecnicos”.
Numa clara manifestação de arrojo e soberania popular, a revista publicada em Lisboa, conta ainda que se registou alguma polémica após serem conhecidos os resultados do concurso de “carros ornamentados”. Desagradado, “o público protestou contra a classificação de um d’eles destruindo-o”. O primeiro prémio foi então atribuído a um dos participantes onde se destacava “um lindo chalet de canas, em cujas janelas se viam formosas senhoras da cidade”.
Para além deste incidente, os festejos foram ainda ensombrados pela fuga de um touro que se desviou do gado conduzido por campinos para os estábulos no interior da antiga praça de touros, no Campo Sá da Bandeira. O “grande pânico”, provocado pelo animal, obrigou “varias pessoas a fugir e mesmo a treparem pelas árvores”. A única vítima do acidente terá sido uma égua que foi esventrada pelo animal em fuga.

Carlos Quintino
info@eugostodesantarem.pt

até aos limites do RIBATEJO
www.eugostodesantarem.pt

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

*

Ultima de Opinião

Professores que recordamos

Como nossos, apropriámo-nos deles! Numa partilha de respeito e amizade, os Professores
0 0.00
Ir para Topo