Governo pondera revogar atual licença de descarga da Celtejo

em Últimas

O Governo prepara-se para revogar a licença de descarga da Celtejo para valores abaixo daqules que a empresa estava autorizada antes de maio de 2016, quando recebeu a autorização para mais do que duplicar o volume de descargas de águas residuais enquanto estava a construir a nova ETAR, entretanto já em funcionamento. Recorde-se que a Celtejo está obrigada a reduzir em 50% os despejos que estavam previstos nessa licença de 2016 mas pode vir a ter, em breve, uma restrição ainda maior. O ministro do Ambiente, que esteve na semana passada na Golegã, avançou com a possibilidade de ser revista a licença de acordo com o valor original e não sobre a licença precária que foi emitida para a empresa em 2016.

O jornal Público avança com esta informação e refere que os novos valores de descargas da futura licença vão depender da investigação em curso à qualidade da água do rio, do resultado das análises feitas recentemente à saída da tubagem da ETAR da Celtejo para o rio e do estudo que está a ser feito pela Universidade Nova de Lisboa que irá determinar a atual capacidade do Tejo para receber águas residuais. O jornal cita licença provisória que diz que a mesma “poderá ser revista ou revogada nos casos previstos nos artigos 28 e 32 do Decreto-Lei 226-A/2007”, isto é, se “se verificar uma alteração das circunstâncias de facto existentes à data da emissão do título e determinantes desta, nomeadamente a degradação das condições do meio hídrico […]” e ainda em caso de “uma seca, catástrofe natural ou outro caso de força maior”. Até maio de 2016, a Celtejo tinha uma licença para rejeitar águas residuais com 0,9kg de CBO5/TSA (uma medida da matéria orgânica dissolvida), mas esses valores foram alterados e passou a poder descarregar efluentes com 2,5 kg de CBO5, ou seja, um aumento de 178%.

2 Comments

  1. Mais um CASE de pulhice humana. O pasquim mor do Jardim da Celeste nao publica noticias sobre a SAGA da POLUICAO no RIO TEJO. E qual a razao? A razao e’ simples. A CELTEJO, empresa da celulose de Vila Velhao de Rodao, umas das fabricas de pasta e papel da ALTRI, e’ propriedade de um senhor que tambem tem capital no jornal CM, conhecido pelas suas criticas burlescas. Os GOVERNOS de LISBOA abencoam tudo o que seja BUSINESS. Nao existe boas ou mas ligacoes. Dizem que a GANANCIA nao tem fim. So’ que BRUSCAMENTE tudo acaba.

    Rudi B. – Fi

  2. Dizem que o DINHEIRO nao tem cheiro. Entao entrem no concelho de Vila Velha de Rodao, onde esta’ instalada a CELTEJO, uma fabrica de celulose da ALTRI, especializada na pasta de papel. CHEIRO NAUSEABUNDO. Devido a ter criado varias centenas de postos de trabalho na regiao, a CELTEJO entende que tem o DIREITO de envenenar / matar o RIO TEJO. A causa e a consequencia. E’ que existe uma crise de ordem geral que se perfila por tras de todos os GRUPOS e INSTITUICOES. E essa crise vem da decadencia moral da sociedade do nosso tempo, condenada ‘a aridez da consciencia, ‘a insensibilidade do coracao, ao conformismo tipico das comunidades varridas pelo materialismo da vida. REQUIEM FOR A DREAM HOMENS E MULHERES DE BOA VONTADE.

    Rudi B. – Fi

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

*

Ultima de Últimas

0 0.00
Ir para Topo