A tertúlia do Napolitano

em Opinião

Radicado no Sacapeito, paredes meias com a Rotunda do Forcado, eis o Café Napolitano. Espaço agradável e soalheiro, com improvisada esplanada conquanto o tempo o permita, ali nos reunimos diariamente alongando o tempo matinal em discussões animadas. Autêntico espaço de tertúlia, debatem-se as calhandrices locais, escorre-se sobre a política municipal e, está bem de ver, o desporto-rei completa a agenda. Nestes últimos tempos a questão da Catalunha animou as hostes, dividindo-se as opiniões: devem ou não tornar-se independentes os catalães? Dos tertulianos, o Zé Baleiras, que é de todos os clubes menos do Benfica, aficionado dos sete costados, ilustra-nos passagens da festa brava. O meu primo Raimundo, cujo estômago é uma atrapalhação, consoante os dias, vai apresentando satisfatórias melhoras. O Zeca e o Brilhante trocam gracejos; o Vítor transporta a rapaziada para almoçar no Brandão, no Pião ou no Miratejo de Alfange. Aos fins de semana, o Raúl Caldeira sobe das Ómnias e enriquece o discurso, a que se junta o Carlos Mesquita, para lá do meio-dia, já a tarde se anuncia. Entendido nas artes, o Duque ministra-nos umas lições de Iluminismo, ricas de pormenor. E, fatal como o destino, joga-se uma bilharada, mais ou menos acalorada conforme os contendores! Um destes dias conheci o senhor Salgueiro, assíduo do Napolitano; viveu em Moçambique, que conhece como a palma da sua mão. Tendo eu ali combatido, recordámos lugares e peripécias, vindo à baila a Pensão Jorge Cadima, em Tete, onde eu pernoitei por vezes. “Conheço-o bem, é da Louriceira, e meu primo”, disse-me sorridente. “Como o mundo é pequeno!”, exclamei eu. E não descansou enquanto não me pôs à fala com o Jorge Cadima, proprietário do Hotel Mar e Sol, em Setúbal. Ficou para breve uma almoçarada, como não podia deixar de ser! Finalmente, é de justiça falar-vos da Mónica e da Marta Isabel, que nos “aturam” no quotidiano de uma bica, de uma torrada, de uma cerveja… Ou de um bolo de arroz se não te atrasares!?…

Arnaldo Vasques

 

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

*

Ultima de Opinião

Sabores da Beira-Baixa

S abores de uma época, tradições de uma terra”, de Josefina Pissarra,
0 0.00
Ir para Topo