Pedro Braz “Porque está Santarém em 3.º lugar em acidentes mortais no trabalho?”

em Últimas

Só este ano já morreram 50 pessoas em acidentes de trabalho em Portugal. Santarém é o terceiro distrito do país com mais acidentes mortais em trabalho nos últimos 3 anos.
Segundo a Autoridade para as Condições de Trabalho (ACT), no distrito de Santarém registaram-se 36 mortes nos últimos 3 anos – 13 em 2014, 10 em 2015 e 13 em 2016 – o que coloca Santarém em terceiro lugar nesta lista negra nacional, em que os primeiros lugares são ocupados pelos distritos de Lisboa (61 mortes nesses três anos) e Porto (57).
“Este é um grave problema nacional – estamos muito longe dos índices de segurança no trabalho registado nos países do norte da Europa; a Suécia, por exemplo, com uma população semelhante e níveis de construção e atividade industrial superiores, regista cerca de 30 mortes em acidentes de trabalho, bem longe das 170 mortes registados no nosso país”, declara-nos Pedro Pimenta Braz.
Quanto ao lugar ocupado pelo distrito de Santarém nesta lista, o inspetor-geral da ACT considera que estes números podem ser o reflexo da diversidade do tecido empresarial, da agricultura à indústria transformadora e extrativa, o que permitiu manter os níveis de atividade mesmo durante a crise.
O elevado número de mortes em acidentes de trabalho no distrito de Santarém leva o inspetor-geral da ACT, Pedro Braz, a lançar o desafio para a realização de um fórum regional com a participação das associações empresariais, sindicatos, Instituto de Emprego, Segurança Social, autarquias, entre outros. “Estes números, que nos envergonham, devem-se à má integração dos processos de segurança nas empresas, e verificam-se em todo o país”. Pedro Pimenta Braz salienta o trabalho que vem sendo feito pela AQCT na sensibilização das empresas. “Estamos a dar prioridade às empresas onde se verificaram acidentes de trabalho mortais nos últimos anos e, agora estamos também a visitar as empresas que tiveram acidentes de trabalho leves, tendo em conta que é muito provável que surja um acidente grave depois de dois ou três acidentes leves, pelo que é preciso tomar medidas acontes de acontecer outro acidente”, diz Pedro Braz.

Deixar uma resposta

Your email address will not be published.

*

Ultima de Últimas

0 0.00
Ir para Topo