O meu candidato

em Opinião

Temos observado o sorriso genuíno e mavioso do Arquitecto António Castelbranco nos meios de comunicação social abrantinos. Os mais atentos sabem que se deve a duas razões distintas: haver sido escolhido para candidato à Câmara Municipal de Abrantes – pelo respectivo PSD – e haver triunfado na obtenção de uma soma que excede os 8 milhões de euros, afecta ao implementar de três projectos universitários de educação e investigação; uma tríade de empreendimentos vitoriosos e volumosos que estão enquadrados na política externa da União Europeia, pretendendo robustecer laços de amizade entre os Estados-membros e outros países do leste do Velho Continente que pertenceram ao Bloco Soviético. Na qualidade de membro da Comissão Política de Secção do Partido Social-Democrata no Concelho, participei no seu processo de selecção, que culminou, em Plenário de Militantes, com uma aprovação muito superior a 90%. Ora, quero explicar por que motivo, desde que surgiu o nome deste discípulo do romano Vitrúvio – discípulo distante no tempo, mas próximo em padrões e conceitos –, concordei e votei para que encabeçasse o nosso esforço autárquico. António Castelbranco, além do desejo de construir um Município sustentável e da frenética inquietação com o abandono actual das freguesias periféricas, está focado num terno de preocupações: saúde, emprego e segurança. Consciente da realidade envolvente, ou seja, conhecedor da radiografia demográfica tubuciana, compreende que os jovens precisam de emprego estável, com direitos, que lhes dê confiança para se manterem ou se fixarem nestas terras à beira Tejo; e entende que os que se encontram no ocaso da vida merecem o carinho que lhes falta hoje em dia: bem-estar sadio e protecção material e espiritual. Sendo um homem de acção, como se depreende da quantia que germinou da semente por si esparzida, o Arquitecto é a aposta de um colectivo para afastar a pânria agravada que infecta as hostes do Partido Socialista, sintoma de uma crença no êxito preordenado. Ouçam a sua-nossa mensagem!

João Salvador Fernandes

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

*

Ultima de Opinião

Sabores da Beira-Baixa

S abores de uma época, tradições de uma terra”, de Josefina Pissarra,
0 0.00
Ir para Topo