Milhares de visitantes na 13ª Feira Nacional de Doçaria Tradicional em Abrantes

em Cultura

Para degustar e comprar iguarias dos Açores, Alcobaça, Aveiro, Caldas da Rainha, Castelo Branco, Évora, Lousada, Madeira, Ponte de Sôr, Portalegre, São Pedro do Corval, Sertã, Torres Novas, Torres Vedras e Ribatejo Interior (Abrantes, Constância e Sardoal) milhares de pessoas visitaram a 13ª Feira Nacional de Doçaria Tradicional, entre os dias 24 e 26 de Outubro.

Com um novo local de realização, o Mercado Criativo (antigo Mercado Municipal de Abrantes) chamou à atenção dos visitantes que o definiram como mais acolhedor e central que o edifício dos Claras. A afluência à Feira de Doçaria Tradicional, da organização da TAGUS – Associação para o Desenvolvimento Integrado do Ribatejo Interior e da Câmara Municipal de Abrantes, foi contínua e muitas pessoas aguardavam junto às portas do certame pela sua abertura.

Esta edição reuniu 32 expositores com doçaria tradicional, bolachas, compotas, mel e licores. Trouxe de novo a presença dos arquipélagos dos Açores e da Madeira, e pela primeira vez Ponte de Sôr e Sertã. Como vem sendo hábito, alguns dos doceiros esgotaram o seu produto. Como foi o caso de Paula Rosa, produtora de São Pedro do Corval (Alentejo), que duplicou a quantidade de iguarias que trouxe há três anos, e que no domingo já não abriu a sua banca por ter vendido todo o seu stock.

Com os espectáculos musicais das noites de sexta-feira e sábado, junto ao espaço da Grão Café, protagonizados pela banda “Wake Up Mary” e pelo projecto “Viver a Música”, a afluência de público da 13ª Feira Nacional de Doçaria Tradicional, apoiada pelo Programa Nacional de Desenvolvimento Rural (ProDeR), intensificou-se.

De destacar, também, foram os momentos de demonstração de doçaria ao vivo, ministradas pelo Chef e professor Fernando Correia com o apoio dos seus alunos da Escola Profissional de Desenvolvimento Rural de Abrantes (EPDRA), em que os presentes puderam aprender nas tardes de sábado e domingo a fazer trouxas-de-ovos, castanhas doces, bombons brigadeiros, palha de Abrantes, beija-me depressa, trufas com canela e com arroz tufado.

Quem também estão de parabéns são os alunos dos 10 estabelecimentos de ensino do pré-escolar e 1º ciclo do ensino básico do concelho, que recriaram a três dimensões 13 vinhetas do livro de banda desenhada “Palhinhas – Uma História da Palha de Abrantes”, com ajuda de educadores e professores e apoio da Funny Moments.

Ao workshop de licores, que se dividiu em duas sessões por excesso de inscritos, responderam quatro dezenas de participantes que aprenderam com a Chocolicor a fazer licores e com o Centro de Transferência de Tecnologia Alimentar INOV’LINEA os requisitos legais para comercializar este produto.

Já o passeio guiado em BTT “Na Rota da Palha”, dinamizado pelos Branquinhos do Pedal reuniu na manhã de domingo 120 ciclistas que fizeram, um percurso de aproximadamente 20km, pelos locais que marcaram a história da doçaria abrantina.

No final da feira foram, ainda, sorteados três vales de desconto nas mais de cinco dezenas de lojas do Centro Histórico de Abrantes, que decoraram as suas montras e fizeram promoções durante a feira. O vale de desconto de 50 euros foi para Maria Fernandes Moura, já o 30 euros para Rui Pedro Gil e o terceiro, de 20 euros para Maria de Lurdes Roldão.

Este certame volta para o próximo ano com mais novidades, transformando Abrantes pelo último fim-de-semana de Outubro na capital ribatejana da doçaria.

Deixar uma resposta

Your email address will not be published.

*

Ultima de Cultura

0 0.00
Ir para Topo